O número de acidentes com motocicletas no trecho de concessão da BR-163 em Mato Grosso reduziu 11% nos primeiros cinco meses de 2019 em comparação ao mesmo período do ano passado. A ausência do uso do capacete, falta de habilitação, descumprimento das normas de trânsito e a embriaguez do condutor são fatores identificados de forma recorrentes pelas equipes da Rota do Oeste que prestam atendimento nos acidentes.

Dados da Concessionária apontam que, em média, dois casos são registrados por dia, somando 324 ocorrências entre 1º de janeiro a 31 de maio de 2019. No ano anterior, foram 367 casos. O levantamento aponta que os acidentes são mais frequentes com a aproximação do fim de semana, sendo as quedas o tipo mais recorrente, com 32% do total atendido. Em seguida estão as colisões transversais (26%) e traseiras (15%).

Segundo o gerente de Operações da Rota do Oeste, Wilson Ferreira, apesar da redução, o número de registros ainda é preocupante, especialmente porque a estatística da Concessionária demonstra que a maioria dos acidentes ocorre nas travessias urbanas da rodovia, onde motocicletas, veículos leves e pesados dividem o mesmo espaço, porém muitas vezes os motoristas e motociclistas não consideram as particularidades deste tráfego.

“Normalmente, a conduta de risco adotada por motociclistas dentro das cidades e dos bairros é reproduzida na rodovia, sem o devido respeito às normas de trânsito e desconsiderando a alteração no fluxo de veículos pesados na rodovia, que é intenso, especialmente na BR-163”, afirma.

Entre as condutas irregulares recorrentes na BR-163 estão a passagem por cima de canteiros, conversões irregulares, ultrapassagens pela direita, ausência de uso de equipamentos de segurança, transporte irregular de crianças e uso de telefone celular. “O que notamos de maneira frequente é a falta de técnica de direção aliada ao excesso de confiança, o que em uma rodovia resultam em acidentes graves. O motociclista precisa entender isso e seguir as normas de trânsito, que existem para protegê-los. Infelizmente, o que vemos são condutores muito mais preocupados com as multas, do que com a vida”.

Além do cumprimento da legislação de trânsito, o gerente de Operações recomenda que os motociclistas adotem equipamentos de segurança do veículo e pessoal, especialmente os com faixa refletiva de forma que sejam vistos pelos outros motoristas, e redobrem os cuidados e atenção na rodovia.16

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.