Imagem: mario kono
Juiz Mário Roberto Kono – Foto: TJMT

O juiz Mário Roberto Kono de Oliveira foi eleito o novo desembargador do Tribunal de Justiça de Mato Grosso. Mário foi escolhido pelo Tribunal Pleno durante sessão extraordinária realizada no Palácio da Justiça, nesta quinta-feira (27). Ele vai ocupar a vaga aberta com a aposentadoria da desembargadora Cleuci Terezinha Chagas, em janeiro deste ano.

Kono recebeu a melhor nota, na média das avaliações feitas pelos desembargadores. Em segundo lugar ficou Gilperes Fernandes da Silva e em terceiro Jorge Luiz Tadeu.

A escolha se baseou no critério de merecimento, conforme as diretrizes disciplinadas pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), por meio da Resolução n. 106/2010.

Concorreram ao posto na segunda instância os juízes Flávia Catarina Oliveira de Amorim Reis, Maria Aparecida Ferreira Fago, Marcemila Mello Reis Penner, Sinii Savana Bosse Saboia Ribeiro, Marilza Aparecida Vitório, Ester Belém Nunes, e os juízes Sebastião de Arruda Almeida, Paulo Sérgio Carreira de Souza, Abel Balbino Guimarães, Márcio Aparecido Guedes, Jones Gattass Dias, Paulo de Toledo Ribeiro Júnior, Aristeu Dias Batista Vilella.

Biografia

Com 27 anos de magistratura, Mário Kono passou pelas comarcas de Nova Xavantina, São Félix do Araguaia, Barra do Bugres e Cáceres, até ser designado para o Juizado Especial Criminal de Cuiabá (Jecrim), onde atua há 20 anos.

Foi pioneiro na implementação da Justiça Terapêutica em Mato Grosso, com o desenvolvimento de trabalhos relacionados ao tratamento de alcoolismo, dependência química, psicopatias e neuroses como penas alternativas, visando o tratamento do acusado, evitar a reincidência e aumentar a capacidade de prevenção de outros possíveis delitos.

O magistrado iniciou o curso de Direito na Universidade Estadual de Londrina e o concluiu na Universidade Federal de Mato Grosso, em 1988. Ao ser empossado juiz aos 31 anos de idade, substituiu a carreira de bancário pela magistratura. Também atuou como professor da disciplina de Direito Penal e Direito Processual Penal, no Centro Universitário de Várzea Grande (Univag)

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.