Imagem: Mauro Carvalho e Mauro Mendes
Mauro Carvalho, chefe da Casa Civil e o governador Mauro Mendes – Foto: Secom-MT

O governador Mauro Mendes (DEM) evitou polemizar a sabatina e votação na Assembleia Legislativa que rejeitou o advogado Emerson de Almeida Souza, indicado por ele, para assumir a Diretoria de Transportes da Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos Delegados de Mato Grosso (Ager).

Nas entrelinhas, houve interpretações de que a rejeição seria um recado ao chefe do Palácio Paiaguás mostrando insatisfação de sua base governista. Na tarde desta quinta-feira (15) Mendes minimizou a situação e afirmou tratar-se de um problema interno dos deputados. Ou seja, uma questão de “interna corporis” do Legislativo Estadual.

Questionado se a rejeição de Almeida foi um recado direto de insatisfação, o gestor refutou tal hipótese. “De maneira alguma, não pode jamais ser interpretada assim. Existem problemas intra corporis também entre os deputados”, disse Mauro Mendes ao ponderar que “isso faz parte da democracia”, ponderou.

Para o chefe do Executivo Estadual, o resultado desfavorável na votação não tem nada ver com o governo. “Lamentavelmente por um problema de entendimento deles, de quem indicou, de quem não indicou, de quem queria e quem não queria, é que houve essa recusa. Mas o governo está muito tranquilo, isso não é nenhum óbice para que possa fazer nova indicação”, pontuou o democrata.

Agora, o governador já está estudando a situação para fazer outra indicação. “Certamente encaminharemos outro nome para a Assembleia”, informou Mendes ao ressaltar que outro indicado por ele, o também advogado José Rodrigues Rocha Júnior, teve o nome aprovado com 18 votos para assumir o cargo de diretor-regulador de Ouvidoria da Ager.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.