Imagem: Claudinei Lopes
Delegado Claudinei defende acompanhamento e orientação psicológica para agentes da Segurança Pública em MT – Foto: assessoria

Em alusão à campanha “Setembro Amarelo”, que visa conscientizar sobre a prevenção ao suicídio, o deputado estadual Delegado Claudinei (PSL), em sessão plenária na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), reforçou a importância da aprovação do Projeto de Lei n.º 833/2019 de sua autoria que dispõe sobre a implantação de Programa de Acompanhamento e Orientação Psicológica para Agentes de Segurança Pública no âmbito do estado de Mato Grosso.

O parlamentar esclarece que a matéria propõe a oferta assistencial, de forma voluntária, sem gerar nenhum custo aos cofres públicos do Estado – em que a implantação do programa deverá ser feita por meio de parcerias e convênios celebrados entre a administração pública e as universidades públicas e privadas. “Além de dar a assistência aos agentes de segurança pública, o governo de Mato Grosso não terá nenhum custo. Mas será preciso que a instituições manifestem interesse para adesão ao programa e, assim, os acadêmicos de psicologia poderão realizar o estágio junto às forças de segurança do estado”, explica Claudinei.

O deputado acrescenta que todo acompanhamento será feito gratuitamente, podendo o agente de segurança ser atendido nas dependências da universidade ou em seu no próprio local de trabalho. Ele enfatiza que os beneficiários deste programa seriam os integrantes da Polícia Judiciária Civil, Polícia Militar, Corpo de Bombeiros Militar e Agentes Penitenciários de Mato Grosso.

Estatística – De acordo com o Grupo de Estudo e Pesquisa em Suicídio e Prevenção (Gepesp) houve um aumento de casos de suicídio entre os agentes da segurança pública. “Dados graves e alarmantes de servidores que atuam na segurança pública e que tiraram a própria vida. Infelizmente, estes dados estão crescendo, tanto que em 2017 foram 28 casos, já no ano seguinte,  67, um percentual de aumento em torno de 140% . Temos que ter uma mobilização e um trabalho preventivo importante de acompanhamento às pessoas que sofrem com depressão e outros transtornos psicólogos”, destaca Delegado Claudinei.

Ele conta que são vários fatores para que um agente de segurança cometa o suicídio, sendo que um deles seria referente ao excesso de trabalho, relacionamento com colegas, falta de apoio da sociedade, risco de vida, burocracia e ter que lidar com presos e pessoas consideradas “de má-índole”.  “Nós chamamos atenção para este projeto de lei,para que o governo do estado dê toda a assistência àqueles que sofrem pressão em todos os lados, sejam com as questões hierárquicas ou, às vezes,  pelo o policial querer fazer o melhor e arriscar a sua vida, mas não atinge seu objetivo – o que gera muito estresse. Os integrantes da segurança pública são seres humanos”, comenta Claudinei.

Campanha – O dia 10 de setembro é marcado como o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio. Associada a essa data, desde 2015, a Campanha Setembro Amarelo movimenta várias regiões do Brasil, sendo que nacionalmente surgiu sob iniciativa do Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP).

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.