14 de agosto de 2020
Mais
    Capa Destaques Governo não vê motivos para terminar obra da Copa de R$ 31,7...
    COT DO PARI

    Governo não vê motivos para terminar obra da Copa de R$ 31,7 milhões

    Dos R$ 31,7 milhões previstos, o Governo do Estado já pagou R$ 21 milhões pela execução de 70% da obra

    Imagem: Mauro Mendes na Arena Pantanal
    Governador Mauro Mendes em visita na Arena Pantanal – Foto: reprodução

    No que depender do governador Mauro Mendes (DEM), a obra do Centro Oficial de Treinamento (COT) da Barra do Pari, em Várzea Grande, não deverá concluída. Lançado para ficar pronto antes da Copa do Mundo de 2014, que foi realizada entre 12 de junho e 13 de julho de 2014, o COT do Pari foi orçado inicialmente em R$ 31,7 milhões.

    Desse total, R$ 21 milhões já foram gastos pelo Governo do Estado, nas gestões anteriores, para executar 70% da obra. O empreendimento, sob responsabilidade da empresa Engeglobal, que pertence à família do suplente de senador, Fábio Garcia (DEM), está paralisado há vários anos.

    Na manhã deste sábado (5), o governador visitou algumas obras da Copa que foram retomadas em sua gestão e disse à imprensa que não faz sentido injetar mais dinheiro no COT do Pari, pois não terá funcionalidade alguma. “Antes de retomar precisamos saber se aquela obra serve para alguma coisa”, pontuou o gestor.

    Imagem: COT Pari
    Obra inacabada do COT do Pari, em Várzea Grande – Foto: divulgação

    Em seguida, Mendes observou que já existem outros espaços voltados para a prática esportiva em Cuiabá. “Nós já temos o Verdão, temos esse COT da UFMT, o Dutrinha. Temos muitos estádios de futebol dentro de Cuiabá e Várzea Grande”.

    Por fim, o governador destacou que a retomada ou não da obra terá que ser analisada com cautela por sua equipe e os interessados no assunto, incluindo a Prefeitura de Várzea Grande e dirigentes esportivos. “Então, precisamos saber efetivamente qual vai ser a utilidade daquele espaço. Não podemos concluir para depois abandonar, não faz o menor sentido. Não temos dinheiro para jogar fora”, afirmou Mauro Mendes.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS