11 de agosto de 2020
Mais
    Capa Bastidores Petição coleta assinaturas para CPI contra a Energisa em MT
    CONTAS ABUSIVAS

    Petição coleta assinaturas para CPI contra a Energisa em MT

    Imagem: Energisa protesto em Porto Velho
    Abaixo-assinado busca apoiadores de CPI contra Energisa por valores abusivos nas contas de energia – Foto: Facebook

    Diante dos valores abusivos nas contas de energia elétrica em Mato Grosso praticados pela Energisa, uma petição pública foi criada na internet para coletar assinaturas de quem defende a instalação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Assembleia Legislativa para investigar as práticas da empresa.

    Conforme os organizadores do movimento – mais de 100 pessoas -, o abaixo-assinado será enviado para deputados estaduais de Mato Grosso, prefeitos, vereadores e Ministério Público.

    “Nós cidadãos de Mato Grosso, queremos por meio desta petição, propor as autoridades legislativas, uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) contra a Energisa Mato Grosso – Distribuidora De Energia S.A. empresa concessionaria de energia no estado de Mato Grosso; a fim de investigar o aumento abusivo nas contas de energia elétrica nos municípios do Estado”, diz o texto disponível no site peticaopublica.org.br.

    Ainda de acordo com os responsáveis pela iniciativa, o movimento “é de interesse público e se ampliou nas redes sociais, onde moradores e micro empresários da região se manifestaram, denunciando o aumento abusivo nas contas de energia elétrica”.

    Na manhã desta terça-feira (8), quando a reportagem do AGORA MATO GROSSO acessou o site o abaixo-assinado já contava com 4.848 assinaturas.

    Vale destacar que a insatisfação e denúncias de contas abusivas não ocorre somente em Mato Grosso. Nos estados do Acre e Rondônia já existem CPIs em andamento nas Assembleias Legislativas investigando os desmandos da Energisa e a prática de aumentos abusivos nas tarifas. A foto que ilustra essa publicação é de um protesto realizado em Porto Velho (RO) no dia 3 deste mês. Para assinar a petição, basta clicar aqui.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS