26 de outubro de 2020
Mais
    Capa Cidades Cuiabá Comissão de Ética protocola notícia-crime no Gaeco envolvendo Abilinho
    DENÚNCIA DE TESTEMUNHA

    Comissão de Ética protocola notícia-crime no Gaeco envolvendo Abilinho

    Uma testemunha ouvida no processo de cassação contra vereador apresentou fatos graves motivando a denúncia no Gaeco

    Imagem: thumbs3
    A Comissão de Ética protocola notícia-crime no Gaeco – Foto: Assessoria

    A Comissão de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Municipal de Cuiabá protocolou na manhã desta quarta-feira, dia 27, uma notícia-crime junto ao Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco).

    A medida é resultado de uma oitiva no processo que visa cassar o mandato do vereador Abílio Júnior, o Abilinho (PSC) por quebra de decoro parlamentar. A representação foi feita pelo ex-vereador Oséas Machado (PSC) e tramita no Legislativo Cuiabano e vem sendo conduzida pela Comissão de Ética. Aualmente, encontra-se na fase de oitivas.

    Conforme o vereador Toninho de Souza (PSDB), presidente da Comissão, a depoente trouxe fatos graves, os quais não têm ligação alguma com a investigação contra Abilinho.
    Por conta disso, o parlamentar e os demais membros do grupo, os vereadores Ricardo Saad (PSDB) e Vinicyus Hugueney (PP), optaram por levar tal informação ao Gaeco.

    “Nós recebemos nesta terça, dia 26, em uma oitiva da Comissão de ética uma depoente que trouxe acusações graves. Ao tomar conhecimento disso, fizemos o nosso papel de tomar o depoimento, mas diante da gravidade da denúncia feita por ela, nós tomamos a atitude, em Comissão, de tirar uma cópia da íntegra das oitivas e protocolar no Gaeco pedindo investigação. Como o que ela colocou não diz respeito a nossa comissão, nos estamos encaminhamos a quem é devido. Estamos fazendo o nosso dever de um agente publico de pedir providências, quando toma conhecimento de uma informação grave”, explicou Toninho.

    O teor da denúncia, de acordo com Toninho de Souza, não será divulgado porque o processo contra Abilinho corre sob sigilo. “Nós temos uma normativa interna da Comissão no caso desta investigação que nos reserva o direito de não falar sobre o conteúdo, sob pena de prejudicar o processo que esta em andamento. Então, não podemos falar sobre o conteúdo que ela relatou, mas podemos dizer que são acusações graves e que nos estamos tomando as providencias devidas cabíveis”, justificou.

    Nesta segunda e terça-feira, dias 25 e 26, foram colhidos os depoimentos das testemunhas de acusação. Já nesta quarta e quinta-feira, dias 27 e 28, os membros do grupo ouvirão as testemunhas de defesa. Após isso, caberá ao vereador Ricardo Saad, relator do processo, elaborar o relatório final das investigações.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS