31 de outubro de 2020
Mais
    Capa Destaques CPI da Energisa começará as oitivas com sindicalista e chefe do Procon
    cobranças de luz abusivas

    CPI da Energisa começará as oitivas com sindicalista e chefe do Procon

    Imagem: CPI energisa
    Integrantes da CPI da Energisa durante reunião definindo as primeiras oitivas – Foto: assessoria

    Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT) realizou nesta terça-feira (19) a segunda reunião ordinária da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Energisa. Na reunião foi entregue para o corpo técnico da CPI vários documentos com denúncias e assinaturas relatando as deficiências dos serviços que a Energisa tem prestado a sociedade mato-grossense.

    Durante o encontro, os deputados membros da CPI aprovaram as oitivas do presidente do Sindicato dos Trabalhadores nas Indústrias Urbanas do Estado de Mato Grosso (STIU-MT), Dillon Caporossi para o dia 26 de novembro às 14h, e da Secretária adjunta do Procon – MT, Gisela Simona para o dia 5 de dezembro as 16h, ambas na sala das Comissões.

    De acordo com o deputado estadual Elizeu Nascimento (DC), que preside os trabalhos da CPI, os depoimentos são de extrema importância para esclarecimentos de dúvidas e apuração de informações

    “São várias denuncias que têm chegado, a começar pelo aumento abusivo das faturas de energia elétrica e graves as denuncias da má prestação de serviços, hoje entregamos esses documentos ao corpo técnico da casa para que possa ser anexado na CPI”, destacou Elizeu Nascimento.

    Conforme o procurador Ricardo Riva, a Procuradoria-Geral da Assembleia tem uma ampla experiência em CPI. “Na legislatura passada tivemos varias CPIs na casa, temos uma experiência vasta no assunto, estamos à disposição para que os trabalhos possam obter o resultado que a população espera”, ressaltou o procurador.

    “Das 11 concessionarias que a Energisa tem no país, quatro estão sendo investigadas através de CPI. Primeiro vamos ouvir os reclamantes, depois ouvir os outros segmentos que serão importantes para começar a fazer a comparação e então chegar às conclusões importantes”, disse o relator Avallone.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS