20 de outubro de 2020
Mais
    Capa Notícias Mundo Enfermeira adota homem cardíaco com autismo e salva a vida dele
    SOLIDARIEDADE

    Enfermeira adota homem cardíaco com autismo e salva a vida dele

    Jonathan passou meses internado no hospital e quando tinha alta, ia para um abrigo para homens, porque não tinha onde morar

    Imagem: enfermeira adota autista cloe
    Lori e Jonathan – Foto: Piedmont Healthcare

    Uma enfermeira de 57 anos adotou e salvou a vida de um homem cardíaco com autismo, que tem 27 anos.

    Lori Wood, que trabalha na UTI do Hospital Piedmont Newnan, na Geórgia, EUA, decidiu adotar Jonathan Pinkard depois de atender ao paciente, em 2018.

    Jonathan precisava urgentemente de um transplante de coração, mas ele não era aceito na lista de receptores para transplantes porque não tinha quem cuidasse dele depois. A avó faleceu e a mãe estava em reabilitação.

    Nos EUA os médicos exigem que os receptores de órgãos tenham sistemas de suporte estáveis, com garantia de ter alguém para cuidar deles após uma operação.

    Jonathan passou meses internado no hospital e quando tinha alta, ia para um abrigo para homens, porque não tinha onde morar.

    A adoção

    Felizmente, ele conheceu Lori Wood e eles se uniram rapidamente pelo amor ao futebol e por gostarem do programa de TV Family Feud.

    Dois dias depois de conhecer o homem, a enfermeira se ofereceu para adotá-lo e se tornar sua guardiã legal, para que ele pudesse ser colocado na lista de transplantes.

    O transplante

    Deu certo. Jonathan fez o transplante de coração em agosto. A cirurgia foi bem sucedida.

    Lori Wood – que Pinkard chama carinhosamente de “mamãe” – monitora os medicamentos do rapaz e cuida dele até hoje.

    Ela também ensinou a Jonathan diferentes habilidades para a vida, para que ele possa viver de forma mais independente.

    “Em algum momento, Deus coloca as pessoas em situações na sua vida e você tem a opção de fazer algo a respeito. E eu acho … que para esta situação não havia escolha. Realmente não foi planejado. Ele teve que voltar para casa comigo”, disse a enfermeira ao Piedmont Healthcare.

    Vaquinha

    Para pagar as despesas médicas e o transporte hospitalar de Pinkard, Lori criou uma vaquinha virtual no GoFundMe.

    Tanta gente se sensibilizou com a história, que ela já bateu a meta de 6 mil dólares.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS