26 de outubro de 2020
Mais
    Capa Destaques Feirante desaparecido há seis dias foi morto e enterrado no próprio quintal
    NAMORADA É SUSPEITA

    Feirante desaparecido há seis dias foi morto e enterrado no próprio quintal

    Foi um cachorro de uma vizinha que escapou, entrou no imóvel e farejou o local onde o cadáver estava enterrado

    Imagem: corpo localizado em vg
    Corpo foi localizado enterrado no quintal da residência da vítima em Várzea Grande – Foto: divulgação

    O corpo de um feirante de 58 anos foi encontrado enterrado no quintal da casa onde morava, no bairro Marajoara, em Várzea Grande, na noite desta segunda-feira (11). Dirceu de Lima Raimundo, estava desaparecido há seis dias. A principal suspeita do homicídio é a namorada da vítima, que ainda não foi localizada pela polícia.

    Segundo informações do boletim de ocorrência da Polícia Militar, a guarnição foi acionada pela vizinha que ao procurar o cachorro dela que tinha escapado flagrou o animal escavando o quintal do vizinho. A dona do cão foi até o local pegá-lo e encontrou diversas larvas no espaço escavado, além do mau cheiro que saía da terra.

    Diante da situação, entrou em contato com a Polícia Militar e relatou a situação. O Corpo de Bombeiros foi acionado e após uma varredura no local encontrou o corpo da vítima. Familiares e vizinhos reconheceram o corpo do feirante que estava desaparecido. A Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) foi acionada e irá investigar o caso.

    Imagem: feirante desaparecido
    Feirante Dirceu de Lima Raimundo estava desaparecido há seis dias – Foto: divulgação

    A namorada do feirante é apontada como a principal suspeita do crime. Conforme apurado, ele tinha um relacionamento com uma mulher de 25 anos e usuária de drogas, com quem se desentendia frequentemente segundo testemunhas. No período em que ele estava desaparecido, a mulher foi questionada sobre o paradeiro de Dirceu e disse a algumas pessoas que ele estaria viajando com o patrão. No entanto, a história foi desmentida pela filha da vítima, que entrou em contato com o patrão do pai e descobriu que ele estava sem ir trabalhar desde o dia 6.

    Testemunhas disseram à polícia que no momento em que o corpo de Dirceu estava era retirado da cova, a suspeita chegou no local em uma motocicleta moto da vítima. Porém, ao ver a aglomeração de pessoas fugiu e não retornou.

    A Polícia Militar fez rondas pela região e foi até a casa da mãe da suspeita, bem como nos lugares em que ela costuma frequentar, mas não a encontrou. Dentro da casa da vítima, a Perícia Oficial e Identificação Técnica (Politec) encontrou vestígios de sangue. Uma das hipóteses investigada é que o feirante tenha sido morto dentro do imóvel e o corpo levado para o quintal e enterrado. Ao lado do cadáver foi encontrada uma rede que pode ter sido usada para transportar o corpo. A Polícia Civil vai investigar ainda a participação de mais pessoas no crime.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS