A deputada estadual Janaina Paschoal (PSL-SP) afirmou que vê risco de Jair Bolsonaro (PSL) não concluir seu mandato até 2022. Indagada sobre o assunto, em entrevista ao Roda Viva, ela disse que acha que o presidente corre esse risco não pela prática de crimes, mas pelos conflitos que Bolsonaro e seus familiares se envolvem e pelo fato de, na visão dela, ele não ser querido pelos formadores de opinião.

“Acho que há (risco de Bolsonaro não concluir o mandato). Não pela prática de crimes, acredito no presidente, mas ele se circulou de pessoas que acho que não o aconselham bem. Tem bons ministros, o governo está indo bem, conseguimos a reforma da Previdência, que era um sonho. Será entregue a reforma administrativa…Mas ele já não é querido pelos formadores de opinião. Ele ainda tem muita gente no povo que apoia, gosta dele, eu mesma gosto dele, mas as pessoas se cansam. Têm situações que ele cria conflitos onde flagrantemente não precisa. Então, você une uma pessoa que cria esses conflitos. Na verdade, não é só ele coitado, mas a família. Vai gerando animosidades”, disse.

“Você têm os formadores de opinião que, na maioria, já não gostavam (dele) desde o princípio. Isso vai formando um caldo de cultura muito negativo. Tem que ter muita sorte. Ele tem sorte, sobreviveu a um atentado, foi eleito sem recurso. Mas eu gostaria que eles todos colocassem a mão na consciência e se esforçassem. Entendessem o tamanho do papel que eles têm. O presidente não é mais um deputado temático, é um presidente da República. O filho ainda é deputado, tem direito aos seus pensamentos, a sua manifestação? Tem. Porém, tem que compreender que não é ouvido mais apenas como deputado, mas como alguém que representa o governo, não de maneira institucional, mas é assim que as pessoas o ouvem. Eu fico preocupada, falam em reeleição, reeleição….Gente, estamos no primeiro ano de mandato e o tamanho das encrencas, é uma quantidade de conflitos que é para final de governo”, concluiu.

Apesar de alertar para esse risco, a deputada estadual afirma que, por enquanto, não há motivos concretos para que alguém entre com um pedido de impeachment contra Bolsonaro. “Por enquanto, nada. Juridicamente, não tem nenhum motivo para querer pretender afastar o presidente”.

Por que escolheu apoiar Bolsonaro?

Janaina foi questionada sobre o motivo de ter se aliado a Bolsonaro e se filiado ao PSL para as eleições de 2018. A deputada afirmou que queria tirar o PT, mas sem colocar no poder outros partidos como PSDB e MDB.

“Não queria o Alckmin, porque não queria PSDB. Quando a gente desmascara o PT, desmascara o MDB e PSDB. Como vou apoiar um partido que na esteira dos crimes do PT aparece tudo que apareceu? Dentre aquelas pessoas nas quais eu vislumbrava potencial para seguir com o processo de depuração do país, talvez o Alvaro Dias, o próprio Amoedo. Aí tem uma coisa que quem faz pesquisa acho que não faz: ouvir o povo. O único candidato que despertava paixão, amor, esperança, era o Bolsonaro. Eu precisava de alguém forte para derrotar o PT, não queria os partidos envolvidos nos casos de corrupção. Eu pensei: ‘preciso me unir a ele'”, explicou Janaina, que também afirmou não ser bolsonarista.

“Agora, nunca fui bolsonarista, discordo com ele em uma série de coisas, mas nós precisávamos escolher entre uma aposta que ainda está em curso e um grupo sabidamente envolvido com o crime organizado, com desvio de milhões, financiamento de ditaduras, plano para América Latina muito ruim. Então, tinha que escolher um caminho, talvez incerto, mas não podia trabalhar para ir por um caminho ruim”, finalizou.

Questionada se tem orgulho da direita que ascendeu ao poder, a deputada respondeu contando a história de uma eleitora que a culpou por ter votado em Bolsonaro. Janaina disse que não concorda com tudo que o presidente faz, mas que voltaria a votar dele. Porém, fez um alerta: ou Bolsonaro melhora ou terá que encontrar uma alternativa.

“Não é um pensamento que confira muito com o meu. Sou uma pessoa bem mais moderada. Acho que orgulho não cabe muito bem. Agora, que alternativa eu tinha? Uma senhora me escreveu: ‘votei no Bolsonaro, confiava em você, a culpa foi sua’. Aí respondi: compreendo que a senhora esteja indignada, também não concordo com tudo, agora, que alternativa eu tinha? Se a eleição fosse hoje, votava nele de novo com tudo que está aí. Agora, ou ele melhora, ou nós teremos que construir uma alternativa”, afirmou.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.