Imagem: 82af214fc08f00289290156b4b08fdfb
Secretário Luiz Antônio Possas de Carvalho – Foto: Assessoria/TJMT

O Hospital Geral de Cuiabá continua sem receber pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS) por falta de repasses financeiros da Prefeitura de Cuiabá na ordem de R$ 3,8 milhões. Em coletiva nesta quarta-feira (4) o secretário municipal de Saúde, Luiz Antônio Possas de Carvalho, só admitiu uma dívida de R$ 461 mil, valor que segundo ele, é referente a serviços de cardiologia e deve ser pago até a próxima sexta-feira (6).

Possas de Carvalho afirmou que todos os repasses realizados pelo Estado ao Município para pagamento dos hospitais filantrópicos foram repassados para as instituições. Por outro lado, o Hospital Geral sustenta que os R$ 3,8 milhões cobrados já foram repassados pelo Ministério da Saúde e pela Secretaria Estadual de Saúde (SES) ao Fundo Municipal de Saúde (FMS). Porém, não foram pagos ao hospital mesmo com as notas faturadas e já em poder da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

Após a paralisação dos atendimentos pela unidade de saúde o Governo de Mato Grosso, por meio da Secretaria de Estado de Saúde (SES), anunciou que fará antecipação de repasses aos hospitais filantrópicos ainda nesta semana, para impedir a ocorrência de novas suspensões de atendimentos e procedimentos.

Imagem: hospital geral cuiaba
Hospital Geral de Cuiabá suspendeu atendimentos pelo SUS no dia 29 de novembro porque não está recebendo da Prefeitura – Foto: divulgação

A Prefeitura da Capital por sua vez, deixou claro que o Executivo está enfrentando dificuldades para manter a saúde pública ‘avançando’ por causa de uma dívida que o Estado tem com Município. Uma planilha foi entregue pelo secretário à imprensa mostrando que o Governo de Mato Grosso deve mais de R$ 44 milhões ao Município. Desse total, de acordo com o secretário Luiz Pôssas, somente R$ 30 milhões são reconhecidos pelo Governo enquanto outros R$ 14 milhões são ignorados.

“O Estado deve para prefeitura de Cuiabá, reconhecidamente, R$ 44 milhões e não voltou ainda para a Prefeitura. Nós estamos tendo muito trabalho, muito esforço e muito sacrifício para manter a saúde pública avançando e atendendo com dignidade a população. Então, entre o público e o privado minha prioridade é atender o público, atender a administração direta, que são os centros de saúde, as unidades básicas de saúde, os PSFs, as policlínicas, as UPA’s, o HMC e o São Benedito”, disse o secretário.

Ele também aproveitou a coletiva para repudiar a direção do Hospital Geral que paralisou o atendimentos sem avisar a Prefeitura com antecedência. “Eu não admito usar o usuário do sus, como moeda de pressão. O usuário é ser humano e merece respeito. Por causa de 10 dias de ‘atraso’ fechar a unidade, aí não dá, tá fugindo o comprometimento. Cuiabá para não ficar à mercê dos filantrópicos está ofertando cada vez mais serviço. Vamos chegar de ofertar 100% dos serviços necessários”, enfatizou Carvalho.

Por parte do Estado, o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo, apresentou durante reunião com representantes dos hospitais filantrópicos na SES, as planilhas dos pagamentos mostrando a regularidade dos repasses financeiros do Governo para  Prefeitura de Cuiabá ao longo de 2019.

“Os hospitais filantrópicos recebem recursos do Governo Federal, Estadual e Municipal. Ficou claro, durante a reunião, que não há qualquer atraso nos repasses do Governo do Estado de Mato Grosso. É importante frisar que a gestão estadual não passa o recurso diretamente aos hospitais, a contratualização é feita via município, que é responsável por repassar o valor às unidades”, explicou Figueiredo.

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.