Imagem: Delegacia Judiciária Civil Rondonópolis MT
Delegacia Especializada da Criança e do Adolescente para registrar um Boletim de Ocorrência contra os padres – Foto: Varlei Cordova / AGORA MT

Um dia após a divulgação na imprensa de Mato Grosso onde dois padres de Rondonópolis, Jhonatha Almeida da Silva e Thiago Silveira Barros, foram denunciados pela tia de um menor de 17 anos por estupro e assedio, o advogado de defesa dos sacerdotes, Rafael Santos, afirmou em entrevista ao Portal Agora Mato Grosso que seus clientes ainda não foram intimados a comparecer na delegacia para prestar depoimento e que o caso é sigiloso.

Ao ser procurada, a delegada da Delegacia de Proteção à Criança e do Adolescente, responsável pelo caso, Ligia Pinto, afirmou que todas as informações foram repassadas para assessoria de imprensa da Polícia Civil, que deve emitir uma nota nas próximas horas.

Imagem: ligia
Delegada Ligia Pinto – Foto – Varlei Cordova/Portal Agora Mato Grosso

A equipe reportagem não conseguiu contato com o bispo Dom Juventino Kestering, da diocese Rondonópolis-Guiratinga.

Entenda o caso

No dia 11 de novembro deste ano, a tia do menor procurou a Delegacia Especializada da Criança e do Adolescente para registrar um Boletim de Ocorrência contra os padres Thiago Silveira Barros e Jhonatha Almeida da Silva.

Em depoimento, o menor afirma que manteve um relacionamento com Thiago dos 13 anos até os 17 anos. E que, em 29 de julho, decidiu terminar o namoro e acabou sendo violentado. Para que não denunciasse o caso, o sacerdote entregou R$ 50 ao jovem.

No caso do padre Thiago, o caso foi registrado como investigação dos crimes de “aliciar, assediar, instigar ou constranger por qualquer meio de comunicação, estupro (consumado), favorecimento à prostituição ou outra forma de exploração sexual de menor de 18 anos. Estupro de vulnerável consumado, além de corromper ou facilitar a corrupção de menores, utilizando-se de meios eletrônicos (consumado)”.

Padre Jhonatha

Com 15 anos, o menino conta que padre Thiago enviou o contato dele para o padre Jhonatha e que ele se encontrou com o mesmo na frente do salão paroquial da Igreja São José Operário. A vítima não conta qual foi o teor da conversa com Jhonatha. Não fica clara também qual foi a conduta dele.

Em relação ao padre Jhonatha, no boletim, ficam registrados a apuração dos crimes de “aliciar, assediar, instigar ou constranger, por qualquer meio de comunicação, crianças com o fim de com ela praticar ato libidinoso (consumado), favorecimento à prostituição ou outra forma de exploração sexual de menor de 18 anos e maior de 14 anos (consumado). Corromper ou facilitar a corrupção de menores, utilizando-se de meios eletrônicos (consumado)”.

Carta em apoio ao Padre Jhonatha

Indignados com as acusações feitas sobre o padre Jhonatha Almeida da Silva, um grupo de fiéis e de amigos formado por 78 pessoas, resolveu fazer uma carta em que defendem publicamente a conduta dele. Segundo a carta o padre teve o seu mistério marcado pela missão de evangelização com jovens e que sempre demonstrou muita responsabilidade e seriedade em seu trabalho.

Imagem: carta
Carta de amigos e fies ao padre Jhonatha – foto – divulgação

As informações constam no Boletim de Ocorrência Nº 2019.338304

Comentários

*Os comentários aqui publicados são de responsabilidade dos usuários e não representam a opinião do site.