19 de setembro de 2020
Mais
    Capa Notícias Brasil Matricular filhos na escola está cada vez mais caro
    Educação Básica

    Matricular filhos na escola está cada vez mais caro

    Segundo Procon, mensalidades escolares dobraram em 10 anos

    Imagem: escola
    Foto: reprodução

    Com reajuste de 104,29% nos valores mensais, nos últimos 10 anos, mensalidades escolares das séries de educação básica estão mais caras, no Brasil, de acordo com uma análise do Procon. O ensino fundamental sofreu o maior reajuste, cerca de 138,72%. Já o maternal aumentou as mensalidades em 136,39%, conforme o Núcleo de Inteligência e Pesquisas da Escola Proteção e Defesa do Consumidor.

    Já nos cursos de graduação houve também reajuste nas mensalidades. No entanto, não tanto quanto as demais séries escolares. Para os cursos universitários, o reajuste foi de 72,19%, enquanto que os valores dos cursos preparatórios para o vestibular tiveram variação de 91,20%, de acordo com a análise do Índice de Custo de Vida do Dieese.

    Segundo o Procon, os valores das mensalidades escolares devem ter como base a parcela da última mensalidade fixada no ano ou semestre anterior, multiplicada pelo número de parcelas do período letivo que irá se iniciar. Ainda conforme o órgão, pode haver um reajuste sobre o valor-base que a escola pode calcular levando em conta o aumento de despesas gerais.

    Com os altos preços das mensalidades escolares, as bolsas de estudo estão sendo cada vez mais requisitadas. Para a chef de cozinha, Bárbara Cristine, pagar as mensalidades para o filho estudante do ensino médio tornou-se um sonho que não cabia no orçamento familiar. Por isso, ela conseguiu uma bolsa de estudo integral para que seu filho continuasse estudando em uma escola de qualidade.

    Outros pais também podem recorrer às bolsas de estudo do Educa Mais 2020, maior programa de incentivo educacional do país, que oferta bolsas para diversas instituições de ensino do Brasil. É possível conseguir bolsas de estudo de até 70% de desconto na mensalidade.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS