26 de setembro de 2020
Mais
    Capa Destaques "Chegam gemendo de dor", conta Tenente que trabalha resgatando animais das queimadas...
    QUEIMADAS

    “Chegam gemendo de dor”, conta Tenente que trabalha resgatando animais das queimadas do Pantanal

    "Difícil não se emocionar com o sofrimento dos animais", foi com estas palavras que a Subtenente Eliana Campos descreveu o momento que está vivendo trabalhando na base montada pela Polícia Ambiental

    Imagem: Animais feridos com as queimadas do Pantanal "Chegam gemendo de dor", conta Tenente que trabalha resgatando animais das queimadas do Pantanal
    Assessoria Sema

    “Difícil não se emocionar com o sofrimento dos animais”, foi com estas palavras que a Subtenente Eliana Campos descreveu o momento que está vivendo trabalhando na base montada pela Polícia Ambiental as margens da Trans pantaneira.

    O acampamento foi criado para atender animais feridos, resgatados dos incêndios que já destruíram mais de 200 mil hectares do Pantanal em Mato Grosso.

    Ao todo, 108 animais foram atendimentos na base, mas três casos se destacaram.

    Uma onça que foi encontrada com queimaduras de terceiro grau. A onça foi transferida para o estado e Goiás, onde segue com o tratamento.

    Uma anta e um cervídeo não tiveram a mesma sorte e morreram devido às queimaduras. O cervídeo foi encontrado as margens de um alagado.

    “Ele estava gemendo de dor”, contou a militar reforçando que fizeram de tudo para aliviar a dor.

    “Tentamos acalmá-lo porque ele perdeu todas as falanges das patas. Depois de várias tentativas conseguimos anestesiá-lo, de forma parcial, porque totalmente não conseguimos imobilizá-lo devido o sofrimento. Fiquei impactada com o sofrimento do bicho gemendo de dor. Conseguimos dar os primeiros atendimentos, fizemos curativos nas queimaduras nas orelhas, em parte do corpo, nas patas”.

    Diante de tanto sofrimento os veterinários decidiram fazer a eutanásia do cervídeo.

    A Secretaria Estadual de Meio Ambiente ainda não sabe ao certo quantos animais morreram nas queimadas do Pantanal, que seguem sendo combatidas por uma verdadeira força tarefa que conta com homens dos Bombeiros, Exército, Marinha e Aeronáutica.

    Após os devidos tratamentos médicos os animais são soltos na natureza.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS