23 de setembro de 2020
Mais
    Capa Notícias Brasil Comentarista da Rede Globo afirma que foi demitido por relatar racismo sofrido...
    ESPORTE

    Comentarista da Rede Globo afirma que foi demitido por relatar racismo sofrido durante o trabalho

    O meu  chefe me disse: "Cara, estou pensando em te desligar no final do Campeonato Gaúcho, mas não quero que pense que seja por ser negro

    O ex-comentarista de arbitragem da RBS, afiliada da TV Globo no Rio Grande do Sul, Márcio Chagas, afirmou ter sido demitido pela emissora por conta de uma entrevista onde revelou ter sofrido racismo durante uma partida do Campeonato Gaúcho. Em carta escrita ao portal “UOL”, ele revelou como foi a repercussão de suas declarações.

    Imagem: marcio chagas 2 19066385 Comentarista da Rede Globo afirma que foi demitido por relatar racismo sofrido durante o trabalho

    Márcio Chagas – Reprodução
    “No dia em que essa matéria foi publicada, recebi inúmeras mensagens de solidariedade e elogios pela coragem de falar novamente sobre um tema que é tão mascarado e negado no Brasil. Porém, também fui chamado pelo meu então chefe na emissora em que trabalhava para dar explicações sobre o conteúdo da matéria.
    Ele não tinha gostado de meu relato ter saído em outro veículo de comunicação”, disse Márcio.
    Segundo o ex-árbitro, seu espaço na TV Globo foi diminuindo após as declarações, chegando até sua demissão.
    “Em novembro, após participar de uma edição do programa “Redação Sportv”, na semana da Consciência Negra, fui chamado novamente para uma reunião em Porto Alegre. O meu  chefe me disse: “Cara, estou pensando em te desligar no final do Campeonato Gaúcho, mas não quero que pense que seja por ser negro.
    Teus posicionamentos estão causando muitos desgastes.” O Campeonato Gaúcho não precisou encerrar. Veio a pandemia e, com ela, meu desligamento, através de um telefonema”, relatou o ex-árbitro.
    Em nota, a RBS afirmou que afirmou que “denuncia regularmente episódios discriminatórios em seus espaços editoriais” e “apoia a formação e o desenvolvimento de grupos internos de diversidade de gênero, sexual e racial” e que a saída de Márcio Chagas, em abril, “ocorreu em meio a uma reestruturação da área de esportes”

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS