18 de setembro de 2020
Mais
    Capa Notícias Política Débitos de serviços essenciais poderão ser parcelados
    PANDEMIA

    Débitos de serviços essenciais poderão ser parcelados

    Projeto de lei apresentado pelo deputado Eduardo Botelho tem o objetivo de auxiliar a população no enfrentamento da pandemia e da escassez de recursos

    Imagem: Energia eletrica Débitos de serviços essenciais poderão ser parcelados
    Reprodução

    Preocupado com a situação de inúmeras famílias que padecem pela falta de trabalho e renda, o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Eduardo Botelho (DEM), apresentou o Projeto de Lei 710/20, que dispõe sobre o parcelamento de débitos das faturas de serviços essenciais contraídos pelos consumidores durante a pandemia do coronavírus. Ele também é autor do Projeto de Lei 652/20, que proíbe o corte de energia elétrica.

    Conforme o projeto, fica assegurado aos consumidores dos serviços essenciais fornecidos pelas concessionárias públicas e privadas o parcelamento dos débitos das faturas contraídas durante o período da pandemia. Para isso, os consumidores poderão parcelar em até 12 vezes os débitos, sem acréscimo de juros ou multas das faturas das contas de energia domiciliar, gás e água.

    Botelho ressalta a importância do projeto e cita as dificuldades das famílias para manter o sustento da casa e o isolamento social para conter a proliferação da Covid-19.

    “Desde o início da pandemia, pensamos ações para ajudar a população a superar esse momento tão difícil. São alternativas para reduzir o impacto na vida econômica da nossa população, permitindo a reorganização financeira até este grave momento passar”, explica.

    O parlamentar destaca que o estado do Rio de Janeiro também irá debater projeto semelhante nos próximos dias. O estado da Paraíba já aprovou esse mesmo tipo de parcelamento. “Diante dos reflexos negativos provocados na economia pela Covid-19, vamos debater amplamente mais este projeto para ajudar as famílias mato-grossenses a superarem esse momento”, afirma o presidente.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS