23 de setembro de 2020
Mais
    Capa Notícias Mundo Japoneses criam momento de lazer dentro de caixões com zumbis para aliviar...
    SHOW DE TERROR

    Japoneses criam momento de lazer dentro de caixões com zumbis para aliviar estresse da pandemia

    Deitado, ele escuta histórias de terror, vê mortos-vivos por todos os cantos, é cutucado por mãos falsas e até recebe algumas esguichadas d'água

    Imagem: Zumbis assustando pessoas Japoneses criam momento de lazer dentro de caixões com zumbis para aliviar estresse da pandemia
    Reprodução

    Um show onde o espectador passa 15 minutos dentro de um caixão e assiste a zumbis com motosserras. Esse é um resumo da proposta de um grupo japonês, que busca distrair as pessoas da pandemia do novo coronavírus.

    As apresentações ocorrem atualmente em Tóquio, capital do país. Ao chegar na instalação, o cliente é encaminhado para um esquife com aproximadamente 2 m de altura.

    Deitado, ele escuta histórias de terror, vê mortos-vivos por todos os cantos, é cutucado por mãos falsas e até recebe algumas esguichadas d’água.

    “A pandemia é estressante e esperamos que as pessoas consigam um pouco de alívio com um bom grito”, explica Kenta Iwana, coordenador da produtora — também conhecida como Scare Squad (em português, algo como Esquadrão do Medo).

    Além de oferecer uma opção de entretenimento ao público, o projeto foi a maneira encontrada por Kenta para manter na ativa os atores que interpretam os zumbis.

    Com novo aumento nas infecções por covid-19 no Japão, diversos eventos foram cancelados e estabelecimentos fechados, o que dificulta a vida desses profissionais na busca por trabalho.

    E a ideia parece ter caído no gosto do público. Kazushiro Hashiguchi, 36, saiu satisfeito de um dos shows, após desembolsar o equivalente a R$ 42 pelo ingresso.

    “Estava procurando uma maneira de me livrar do meu estresse”, explicou, “me sinto relaxado agora”.

    Kenta esperar levar zumbis e caixões para mais locais de lazer.

    “Tudo o que você precisa fazer é colocá-los em um quarto escuro”, pontuou o coordenador.

     

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS