02 de dezembro de 2020
Mais
    Capa Notícias Brasil Chamas voltam a atingir Serra do Amolar
    MATO GROSSO DO SUL

    Chamas voltam a atingir Serra do Amolar

    Imagem: serra do amolador Chamas voltam a atingir Serra do Amolar
    Serra do Amolar – Foto: Silvio Andrade e Andrè Zumak (IHP)

    A propagação das chamas na Serra do Amolar, no Pantanal sul-mato-grossense, voltou a mobilizar os esforços de bombeiros, brigadistas e voluntários. Segundo o governo em Mato Grosso do Sul, o fogo que há quatro dias se espalha pela Reserva Particular do Patrimônio Natural Eliezer Batista já incinerou mais 10 mil hectares da unidade de conservação. Já de acordo com representantes da organização não governamental (ong) que administra a unidade de conservação, a situação é “crítica e incontrolável”.

    Cada hectare corresponde, aproximadamente, às medidas de um campo de futebol oficial. O incêndio ameaça ainda outras duas unidades de conservação próximas. Para tentar impedir o avanço das chamas, um avião alugado pelo governo estadual e um helicóptero do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) foram deslocado para a região a fim de auxiliar as equipes que combatem às chamas em terra. Um caminhão com capacidade para 10 mil litros de combustível deve chegar à região em breve.

    De acordo com o Instituto Homem Pantaneiro, organização não governamental (ONG) que administra a reserva particular, o incêndio na região da Serra do Amolar recomeçou no fim da tarde da última sexta-feira (25), e se intensificou ao atingir a reserva particular. As equipes de combate chegaram rapidamente à área, mas “apesar dos [primeiros] esforços, estamos mobilizando mais equipes para reforçar a frente de combate”, informou a ONG.

    Segundo Ângelo Rabelo, diretor de relações institucional do Instituto Homem Pantaneiro, a situação é devastadora. “Estamos enfrentando uma situação ainda mais delicada, com vários pontos de calor e fogo em toda a região do Parque Nacional do Pantanal. Na Serra do Amolar, o fogo se propagou por outras direções. O cenário é muito crítico e incontrolável. Não há estrutura e efetivo que controle o que está acontecendo. Quero crer que mesmo com a grande mobilização que está havendo, a situação é bastante crítica

    Em nota, o governo estadual informou que 35 pessoas já estão participando do enfrentamento às chamas. São bombeiros de Mato Grosso do Sul e do Paraná, brigadistas do ICMBio e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), funcionários do Instituto Homem Pantaneiro e voluntários. Desde ontem (27), eles tentam impedir que o fogo atinja à morraria do Amolar, onde o trabalho se torna mais difícil. A área mais crítica fica entre as baías Mandioré e Taquaral.

    As condições climáticas dificultam o combate às chamas, pois com as altas temperaturas e a baixa umidade do ar, o fogo se espalha rapidamente pela vegetação seca. Situação que não deve se alterar muito pelos próximos dias, já que uma massa de ar seco deve continuar continuar atuando sobre toda a região centro-oeste do país ao longo desta semana. Segundo a meteorologista Franciane Rodrigues, do Centro de Monitoramento do Tempo e do Clima (Cemtec), não há expectativa de chuvas significativas para o estado pelo menos até o próximo dia 11 – ainda que, entre hoje e amanhã, chuvas isoladas e de fraca intensidade possam ocorrer nas regiões Sudoeste e Sul do estado. Além da baixa umidade relativa do ar, as condições climáticas favorecerão uma nova onda de calor, com as temperaturas podendo atingir 41ºC em algumas localidades.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS