28 de outubro de 2020
Mais
    Capa Notícias Brasil Voltar ou não voltar às aulas presenciais? Assunto gera polêmica
    QUAL SUA OPINIÃO

    Voltar ou não voltar às aulas presenciais? Assunto gera polêmica

    Organizações internacionais destacam a importância do vínculo das crianças com a escola. Questão sanitária deve ser levada em consideração

    Voltar ou não voltar às aulas presenciais? O assunto preocupa pais e educadores de todo mundo e a solução não é tão simples. O R7 ouviu especialistas para entender quais os caminhos possíveis.

    No início da semana, organizações mundiais como a OMS (Organização Mundial de Saúde), Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) e a Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e Cultura) divulgaram guias com orientações para auxiliar os governos para a retomada das atividades escolares presenciais neste período de pandemia.

    Organizações alertam para os impactos do longo período de fechamento das escolas na vida de crianças e adolescentes, e pedem que sejam priorizados investimentos urgentes para reabri-las com segurança, de acordo com a situação da pandemia em cada localidade.

    As organizações destacam que os governos devem garantir o direito de crianças e adolescentes à educação.

    Ao mesmo tempo, o documento reforça que a reabertura das escolas deve ocorrer com segurança, preservando a saúde de crianças, adolescentes, profissionais da educação e das famílias de todos. Para isso, é fundamental investimento, por parte do governo, em materiais de higiene e estrutura das escolas.

    De acordo com o censo escolar de 2018, publicado no ano passado, 50% das escolas brasileiras não estão ligadas a uma rede de esgoto e 20% não tem água encanada.

    O que dizem as especialistas?

    Todos as especialistas ouvidas pelo R7 destacam a importância das aulas presenciais e do direito à educação, mas a prioridade deve ser a questão sanitária.

    Maria Júlia Azevedo gerente de implementação de projetos do Instituto Unibanco, o período exige muita “flexibilidade” por parte das famílias e dos gestores.

    “O Brasil é um país com muitas realidades e qualquer decisão tomada unilateralmente será revista”, observa. “Há situação em que o retorno gradual será possível, mas em outras não, é preciso acompanhar cada realidade e ter consciência de que as decisões não são definitivas neste momento.”

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS