30 de novembro de 2020
Mais
    Capa Destaques Mato Grosso realiza segundo transplante de rim em menos de uma semana
    RETOMADA

    Mato Grosso realiza segundo transplante de rim em menos de uma semana

    Imagem: transplante Mato Grosso realiza segundo transplante de rim em menos de uma semana
    Procedimento de transplante durou cerca de quatro horas e o paciente segue em recuperação – Foto por: Assessoria Hospital Santa Rosa

    Após retomar o serviço de transplante de rim, paralisado desde março devido à pandemia da Covid-19, Mato Grosso realizou na quinta-feira (29.10) o segundo procedimento. O primeiro transplante pós pico da pandemia foi feito no último dia 24 de outubro.

    ”Retomamos o transplante de rim em Mato Grosso no início deste ano, após 10 anos de serviço paralisado. Agora é uma nova retomada. Após o pico da pandemia, as nossas equipes técnicas estão absolutamente empenhadas na realização dos transplantes. Esperamos que muitas outras vidas sejam beneficiadas por meio deste serviço ofertado pelo SUS”, pontuou o secretário estadual de Saúde, Gilberto Figueiredo.

    O procedimento foi mediado pela Central Estadual de Transplantes da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) e ocorreu no Hospital Santa Rosa, em Cuiabá, que atua como unidade credenciada pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para esse tipo de cirurgia no Estado.

    O órgão, ofertado via Central Nacional de Transplantes, foi disponibilizado de outro Estado e, graças à conscientização da família do doador, possibilitará mais qualidade de vida a um paciente de Cuiabá, que há cinco anos fazia hemodiálise e foi inserido no sistema como apto para transplante há 11 meses.

    De acordo com a equipe médica, o procedimento de transplante durou cerca de quatro horas e o paciente segue em recuperação e adaptação. “Seguimos todo o protocolo necessário diante do cenário em que vivemos e o paciente está bem, de repouso, sob avaliação médica”, explicou a coordenadora de Acompanhamento e Controle de Transplantes da SES, Anita Ricarda da Silva.

    O receptor do rim passou por uma série de exames, dentre eles o PCR, para a possível detecção da Covid-19. A medida é necessária como forma de monitorar a saúde do paciente que será transplantado.

    A secretária adjunta de Regulação da SES, Fabiana Bardi, lembra que além desses dois transplantes já concluídos, a Central Estadual também registrou outras duas indicações de transplante cujo fluxo foi célere. “O procedimento só não foi concluído por condições clínicas do paciente doador e do paciente receptor, mas este já é o quarto fluxo realizado pela equipe”, ressalta Fabiana.

    A equipe que realizou o transplante foi composta pelos cirurgiões Carlos Eduardo Bouret, Pedro Ernesto Pulcherio e Valter Torezan; pelo instrumentador Luiz Carlos da Silva; pelos circulantes da sala Dilma Resende de Oliveira e Luana Campos da Silva e pela enfermeira Melissa Cristina Lopes. Também integrou a equipe os anestesistas Adilson Odilon da Silva Júnior, Vinicius Duarte Cirineu e Denilson Oliveira da Silva, além do nefrologista José Carlos Muniz.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS