16 de março de 2021
Mais
    Capa Notícias Economia Arroz, batata e carne estão caros? Veja opções para mudar o cardápio
    ALIMENTAÇÃO

    Arroz, batata e carne estão caros? Veja opções para mudar o cardápio

    A dica da nutricionista é pesquisar diversas marcas e tipos

    Arroz, carne, batata-inglesa, tomate e óleo de soja pesaram mais uma vez na cesta básica do consumidor, segundo o IPCA-15 (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15), divulgado pelo IBGE na terça-feira (24).

    O indicador é considerado a prévia da inflação.

    Em outubro, os preços registraram as seguintes altas:

    • Carnes (4,89%);
    • Arroz (8,29%);
    • Batata-inglesa;
    • Tomate (19,89%); e
    • Óleo de soja (14,85%).

    “A alimentação continua sendo muito afetada porque os preços de itens importantes estão subindo em dólar e ainda tem uma parte da desvalorização cambial que ainda impacta na industrialização desses alimentos”, diz André Braz, coordenador do IPC do FGV IBRE.

    Toda a cadeia que vem da soja, do milho e do trigo acaba chegando mais cara para o consumidor, de acordo com o economista, por causa do dólar e o câmbio.

    Outro fator que deve começar a influenciar no preço dos alimentos é a proximidade do verão.

    A pedido do R7 Economize, a nutricionista Adriana Stavro elaborou uma lista com alimentos que podem substituir os que registraram aumento de preço em outubro. Confira

    Arroz e batata-inglesa

    • Abóbora;
    • Batata-doce;
    • Cuscuz marroquino;
    • Cuscuz de milho;
    • Inhame;
    • Macarrão;
    • Mandioca;
    • Mandioquinha (apesar de nem sempre estar mais barata); e
    • Quinoa.

    Carnes

    • Carne suína;
    • Carne de segunda;
    • Peixes mais em conta (sardinha, linguado, pescada branca); e
    • Frango
    • Ovos

    Óleo de soja

    Há uma variedade de óleos nas prateleiras dos supermercados.  Entre as opções, estão:

    • Óleo de girassol;
    • Óleo de milho; e
    • Óleo de canola.

    “O brasileiro consome muito óleo. Com a alta do produto, pode ser uma boa oportunidade para reduzir isso.”