23 de novembro de 2020
Mais
    Capa Notícias Brasil Ex-presidente Michel Temer é o primeiro a votar em sua seção em...
    ELEIÇÃO 2020

    Ex-presidente Michel Temer é o primeiro a votar em sua seção em SP

    Temer diz país vive um momento de cidadania e todo mundo quer votar nestas eleições municipais

    Imagem: Temer em votacao Ex-presidente Michel Temer é o primeiro a votar em sua seção em SP
    Reprodução

    O ex-presidente Michel Temer (MDB) foi o primeiro eleitor a votar na sua seção eleitoral, logo após a abertura do portão da PUC, em Perdizes, na Zona Oeste de São Paulo, na manhã deste domingo (15).

    Ele chegou num carro, estacionado em frente ao colégio eleitoral, acompanhado por dois seguranças. Diferentemente das últimas eleições, ele não levou a mulher e o filho.

    Questionado em quem iria votar para prefeito, Temer falou que votaria no candidato escolhido pelo MDB. Em setembro, o partido oficializou apoio à Bruno Covas (PSDB). “Votar no meu candidato. Do partido”, disse Temer, sem citar o nome.

    Sobre a expectativa para a pleito municipal, Temer falou que “vença o melhor”.

    Segundo o ex-presidente, o país vive um momento importante que será demonstrado nas urnas. “Todo mundo está querendo votar. Exercício da cidadania. O povo escolhe”.

    Questionado sobre a pandemia de Covid-19, Temer falou que as medidas sanitárias tem de ser cumpridas para evitar a transmissão do vírus. “Acho que todos vão cumprir. Vai sair, mas tem que usar máscara e álcool”.

    Michel Temer chega para votar em seção eleitoral da Zona Oeste de SP — Foto: Kleber Thomaz/G1

    Michel Temer chega para votar em seção eleitoral da Zona Oeste de SP — Foto: Kleber Thomaz/G1

    Julgamento

     

    Em agosto deste ano, a Terceira Turma do TRF-1 (Tribunal Regional Federal da 1ª Região) formou maioria para manter a absolvição do ex-presidente Michel Temer (MDB), acusado de obstrução de Justiça no caso de gravação feita pelo empresário Joesley Batista, em 2017.

    O julgamento foi suspenso após um pedido de vista e não há prazo para a continuidade da sessão. O ex-presidente é acusado de tentar atrapalhar investigações da Lava Jato que envolviam o ex-doleiro Lúcio Funaro e o ex-deputado Eduardo Cunha após o empresário Joesley Batista, da JBS, gravar uma conversa com ele no Palácio do Jaburu.

    ÚLTIMAS NOTÍCIAS