17 de abril de 2021
Mais
    Capa Destaques Procurador diz que não houve prejuízos para os cofres públicos
    CASO DOS RESPIRADORES FALSOS

    Procurador diz que não houve prejuízos para os cofres públicos

    Para o procurador, apesar dos valores não terem retornado para os cofres públicos, não há prejuízos para o erário

    A transação que resultou na compra de respiradores falsos comprados para atender pacientes graves do coronavírus não trouxe prejuízos financeiros para os cofres da prefeitura de Rondonópolis. A afirmação é do procurador do Município, Anderson Flávio de Godoi, que afirmou que a maior parte dos valores pagos já está em uma conta judicial e o restante do valor deve ser recuperado com a venda de bens do acusado de ser o responsável por vender os aparelhos falsificados para o Município.

    De acordo com Anderson Godoi, há um processo judicial em andamento sobre o caso e já houve o bloqueio de R$ 2, 9 milhões da empresa Life Med, que estão depositados em uma conta judicial e ainda não voltaram para os cofres da prefeitura, o que só deve acontecer ao final do processo. “Nós já pedimos para devolver para os cofres públicos, mas pelo fato de estar na mão do Judiciário, o dinheiro está perfeitamente seguro e garantido. Não vejo problema nenhum”, afirmou.

    Sobre o restante dos R$ 4,136 milhões pagos na compra de 22 respiradores pulmonares falsos de uma empresa do Tocantins, ao custo de R$ 188 mil cada, o procurador diz que o valor também será recuperado. “Além de dinheiro, nós temos bens bloqueados também. Tem carro, tem moto, temos a requisição administrativa dos monitores que foram entregues como respiradores, que não servem para serem respiradores, mas a prefeitura, como precisava equipar a UPA, fizemos a requisição administrativa, que significa que nós tomamos para o poder público esses aparelhos para serem usados e esse valor (dos monitores cardíacos vendidos como respiradores pulmonares) também vai ser utilizado para abater do prejuízo”, afirmou.

    Ele ainda admitiu que a conta não fecha, faltando valores a serem devolvidos aos cofres da prefeitura, mas o procurador afirma que essa situação deve ser resolvida até o final do processo.

    Entenda melhor

    A compra dos respiradores falsos ocorreu no mês de abril passado e realizado com dispensa de licitação, mas ao invés de respiradores, foram entregues monitores cardíacos, que tem um preço bem abaixo do valor dos respiradores, que foram adquiridos por mais de R$ 4,1 milhões, pagos de forma antecipada, dos quais foram recuperados cerca de 70% do valor.

    O caso é investigado pelo Ministério Público Estadual (MPE), que apura possíveis fraudes e desvios de recursos públicos.