18 de abril de 2021
Mais
    Capa Destaques Caminhoneiros devem ganhar status prioritário para vacinação
    CONTRA A COVID

    Caminhoneiros devem ganhar status prioritário para vacinação

    Frente Parlamentar também será mobilizada para articulação junto ao Executivo Federal

    Caminhoneiros de todo o país devem ganhar status prioritário para vacinação em postos espalhados pelas estradas brasileiras. A iniciativa foi definida em reunião entre o presidente da Frente Parlamentar de Logística e Infraestrutura (Frenlogi), Senador Wellington Fagundes (PL-MT), o presidente da Confederação Nacional do Transporte (CNT), Vander Costa, e o presidente do Senado, Davi Alcolumbre.

    Em março deste ano, auge das transmissões da COVID-19, Wellington já havia defendido a priorização da categoria para testes sorológicos e de controle, e para atendimento em saúde, tanto dos profissionais caminhoneiros quanto de seus familiares.

    Na semana passada, Fagundes participou do lançamento do Plano Nacional de Operacionalização da Vacinação contra o vírus, e adiantou que o Senado Federal fiscalizará a iniciativa federal, se comprometendo a aprovar recursos ordinários e extraordinários para aquisição das doses e a logística para universalização dos atendimentos.

    Um levantamento da CNT aponta que 13,2% dos quase 2 milhões de caminhoneiros não costumam procurar profissionais de saúde, mesmo com sintomas de quaisquer enfermidades. Para Wellington, a proteção dessa imensa quantidade de profissionais, que “vem e vão” por Estados e municípios, é fundamental para conter uma nova onda de contágio. “Eles chegam a rodar, em média, mais de 8 mil quilômetros por mês, com desgaste físico considerável dada a sua jornada média de 11 horas, o que também causa um convívio familiar comprometido”, argumentou Fagundes.

    O presidente da CNT, Vander Costa, afirmou que o SEST/SENAT (Serviço Social do Transporte e Serviço Nacional de Aprendizagem no Transporte), com o apoio da Frenlogi, está colocando à disposição do Governo Federal a estrutura das empresas representantes, assim como a expertise já adquirida em fazer logística. “Da mesma forma, colocamos também as 155 unidades do SEST/SENAT, mais as unidades móveis, para facilitar a vacinação, com foco em atender prioritariamente os motoristas – que são os responsáveis, inclusive, pelo transporte das vacinas e de pessoas”, completou Costa.