14 de março de 2021
Mais
    Capa Destaques Vereadora cobra transparência na aplicação de vacinas
    IMUNIZAÇÃO

    Vereadora cobra transparência na aplicação de vacinas

    Ela quer que a prefeitura divulgue regularmente uma lista das pessoas que forem sendo vacinadas

    Imagem: Kalynka Meirelles vereadora por Rondonopolis Vereadora cobra transparência na aplicação de vacinas
    “O que queremos que essas vacinas sejam para as pessoas prioritárias”, cobrou Kalynka Meirelles – Foto Varlei Cordova/AgoraMT

    A vereadora Kalynka Meirelles (Republicanos), quer que a prefeitura torne transparente a questão da vacinação contra a Covid-19 em Rondonópolis, divulgando o nome, local de trabalho e função de cada um dos vacinados a receberem as primeiras doses do imunizante na cidade. Para ela, é importante que o poder público municipal disponibilize as informações, para que aí então os cidadãos possam fiscalizar e denunciar possíveis irregularidades na distribuição do imunizante.

    Para isso, a vereadora encaminhou um requerimento aprovado em Plenário pelos vereadores à prefeitura e espera que as informações sejam disponibilizadas para a população. “A gente sabe que o secretário de Saúde tem que estar acompanhando o Ministério da Saúde. O próprio Ministério da Saúde preconiza que sejam informados essas pessoas que receberam a dose. O que eu pedi é simplesmente que a gente possa estar levando isso para a população”, explicou.

    No entendimento da vereadora, a população tem o direito de ter acesso aos nomes e locais onde trabalham cada um dos vacinados, para que possa fiscalizar se de fato está sendo obedecido os critérios de prioridade na distribuição das poucas doses da vacina CoronaVAc que vieram para Rondonópolis.

    “Pessoas me procuraram e lembraram que há denúncias em outros estados de pessoas que furaram a fila. Então, a gente gostaria dessa transparência. E é por conta dessas pessoas que me procuraram que eu protocolei esse requerimento”, completou Kalynka Meirelles.

    A parlamentar espera que a divulgação seja semanal ou no máximo quinzenal, até para dar mais credibilidade para a vacinação. “O que queremos que essas vacinas sejam para as pessoas prioritárias e que depois possa ter vacina para toda a população”, concluiu.