18 de abril de 2021
Mais
    Capa Destaques Chefe do MPE classifica Bolsonaro como “desumano e inconsequente”
    DISCURSO DE POSSE

    Chefe do MPE classifica Bolsonaro como “desumano e inconsequente”

    José Antônio Borges segue a frente do MPE no biênio 2021-2022

    Imagem: José Antônio Borges
    José Antônio Borges, chefe do Ministério Público de Mato Grosso – Foto: divulgação

    O procurador-geral de Justiça José Antônio Borges, que foi reconduzido ao cargo na tarde desta quarta-feira (10), usou parte considerável de seu discurso de posse para tecer críticas ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido).

    Para o chefe do MPE, a postura negacionista de Bolsonaro contribuiu, por exemplo, para que o País chegasse à marca de 230 mil mortes em decorrência da Covid-19.

    “Temos um Presidente da República insensível, desumano, inconsequente, terraplanista, que desprezou a ciência e jogou a população contra os governadores e prefeitos e, por consequência, já temos mais de duzentos e trinta e três mil e quinhentos e vinte mortos”, disse Borges.

    Mais adiante, ele afirmou que todas as autoridades eleitas pelo voto popular ou aquelas que ocupam seus cargos por concurso público nas carreiras de Estado, ao serem empossadas, prometem respeitar a Constituição Federal e demais leis.

    Bolsonaro, por sua vez, tem adotado, segundo o procurador, uma postura e um discurso que deixam a população brasileira preocupada com o futuro da democracia.

    “Ter adversários políticos é saudável, mas a polarização e divisão da população que temos assistido, entre ‘Nós e Eles’, e falar de comunismo numa economia globalizada para criar um inimigo, como tem feito o Chefe da Nação, não é hilário, mas preocupante”, pontuou.

    José Antônio Borges fez alusão também ao chamado “gabinete de ódio”, instalado no Palácio do Planalto para atacar pessoas e instituições que se opõem ao Governo.

    “Os ataques não são somente às instituições, mas também ao ‘espaço cívico’ que se tenta corroer com intimidação, assédio e difamação. Tática usada com frequência por membros do atual Governo Federal e importante parte de seus apoiadores e seguidores”, afirmou,

    Borges destacou também que o Governo, de forma reiterada, faz ataques misóginos e que têm como alvo diferentes lideranças da sociedade civil, artistas, cientistas, acadêmicos, funcionários públicos, influenciadores e jornalistas.

    Por fim, o chefe do MPE disse que a pior postura de Bolsonaro é dizer que houve fraude na eleição de 2019 – vencida por ele no segundo turno – sem apresentar qualquer prova neste sentido, “num total desrespeito à Justiça Federal Eleitoral”.

    Posse

    Em razão da pandemia, a posse foi realizada em solenidade virtual. José Antônio Borges segue a frente do MPE no biênio 2021-2022.

    Ele conquistou a primeira colocação na eleição realizada no Ministério Público, com a participação de procuradores e promotores de Justiça, tendo recebido 142 votos.

    Posteriormente, foi nomeado pelo governador Mauro Mendes (DEM).