11 de maio de 2021
Mais
    Capa Destaques Agentes de endemia param atividades para cobrar elevação de piso
    DIA DE PARALISAÇÃO

    Agentes de endemia param atividades para cobrar elevação de piso

    Rondonópolis tem hoje 199 agentes de endemias e segundo a AACER a maioria aderiu à paralisação de 24 horas; eles querem que a Prefeitura garanta o novo piso salarial de R$ 1.550,00.

    Imagem: agentesendemia 1 Agentes de endemia param atividades para cobrar elevação de piso
    Trabalhadores realizaram manifestação para cobrar acordo salarial – Foto: Assessoria

    Os agentes de endemia decidiram parar as atividades hoje (26) para cobrar uma resposta da Prefeitura de Rondonópolis sobre o piso salarial da categoria. Eles reivindicam o repasse da terceira parcela de recomposição do piso, acertada com o Governo Federal ainda na gestão do ex-presidente Michel Temer.

    Os profissionais realizaram um manifesto público e estão usando as redes sociais para explicar a paralisação e pedir uma resposta do prefeito José Carlos do Pátio.

    A diretoria da Associação dos Agentes de Combate a Endemias de Rondonópolis (AACER) explica que os salários da categoria são pagos com recursos enviados pelo Governo Federal. Eles também afirmam que a Procuradoria Geral do Município já emitiu um parecer autorizando a recomposição, por não se tratar de aumento ou reajuste.

    O acordo firmado com o Governo Federal previa que a partir de janeiro deste ano o piso nacional da categoria passaria a R$ 1.550,00.

    Rondonópolis tem hoje 199 agentes divididos entre atividades de campo, controle químico e supervisão. Todos estão participando da paralisação.

    A Associação disse que o protesto será encerrado ao final do dia, mas pretende manter a categoria mobilizada enquanto a reivindicação não for atendida.

    Eles também aguardam uma reunião para discutir o assunto com o prefeito José Carlos do Pátio.

    “Já tentamos várias vezes falar com o prefeito e não conseguimos. Continuaremos tentando e esperamos resolver isso de forma rápida, haja vista que nosso salário vem de um programa federal”, reforçou o presidente da AACER, Thiago Onório.