20 de abril de 2021
Mais
    Capa Destaques Mendes critica decreto de Emanuel: “despreparo e irresponsabilidade”
    POLITIZAÇÃO NA PANDEMIA

    Mendes critica decreto de Emanuel: “despreparo e irresponsabilidade”

    Governador reagiu à medidas decretadas na Capital e apontou "contradição"

    O governador Mauro Mendes (DEM) afirmou que o prefeito de Cuiabá Emanuel Pinheiro (MDB) mostra “total despreparo e irresponsabilidade” na condução da Capital neste momento de pandemia.

    A crítica surge em razão do decreto anunciado pelo prefeito na tarde desta terça-feira (2), com medidas para tentar frear o avanço da Covid-19.

    No entanto, a maior parte delas diverge do que foi fixado pelo Governo do Estado no início da semana.

    Mendes estipulou, por exemplo, o toque de recolher das 21h às 5h. Já o prefeito, fixou a medida somente após às 23h.

    O Município também não irá seguir o decreto do Governo, que determina o fechamento de tudo às 19h de segunda a sexta-feira (2) e a partir do meio-dia aos sábados e domingos.

    “Infelizmente, o prefeito continua cometendo erros, mostrando total despreparo e irresponsabilidade, o que poderá provocar a morte de muitos cuiabanos”, disse Mendes, em nota encaminha à imprensa no início da noite.

    O governador citou ainda que Mato Grosso tem hoje 88% das vagas de UTI’s ocupadas e mais de 5,8 mil óbitos em decorrência da doença.

    Ele apontou ainda, uma contradição na postura do prefeito diante do crescimento exponencial de casos e óbitos pelo vírus.

    “Quando Cuiabá registrou o primeiro caso de coronavírus, há exato um ano, a decisão da Prefeitura de Cuiabá foi de fechar tudo e instaurar um lockdown total no município. Agora, com um cenário crítico, a decisão foi flexibilizar”, disse.

    “Caberá ao Ministério Público e ao Judiciário decidir o que deverá prevalecer na cidade de Cuiabá”, concluiu o governador.

    Confira nota na íntegra:

    “O Governo de Mato Grosso lamenta a forma como a Prefeitura de Cuiabá politiza e trata a situação da Covid-19.

    Hoje, Mato Grosso tem 88% das vagas de UTIs no Estado ocupadas e alcançou a marca de 253.783 casos e 5.864 óbitos.

    Quando Cuiabá registrou o primeiro caso de coronavírus, há exato um ano, a decisão da Prefeitura de Cuiabá foi de fechar tudo e instaurar um lockdown total no município. Agora, com um cenário crítico, a decisão foi flexibilizar.

    Infelizmente, o prefeito continua cometendo erros, mostrando total despreparo e irresponsabilidade, o que poderá provocar a morte de muitos cuiabanos.

    Caberá ao Ministério Público e ao Judiciário decidir o que deverá prevalecer na cidade de Cuiabá.”