13 de maio de 2021
Mais
    Capa Notícias Mundo Pesquisas afirmam que sangue tipo A é o mais infectado pelo coronavírus
    SAÚDE

    Pesquisas afirmam que sangue tipo A é o mais infectado pelo coronavírus

    Foi percebida uma "forte preferência" por se unir ao grupo A que se encontra nas células respiratórias

    Imagem: Coronavirus Pesquisas afirmam que sangue tipo A é o mais infectado pelo coronavírus
    Reprodução

    coronavírus SARS-CoV-2, que provoca a covid-19, se sente “particularmente atraído” pelo antígeno do tipo sanguíneo A que se encontra nas células respiratórias, conforme indica estudo publicado nesta quinta-feira (4) na revista científica Blood Advances.

    Embora seja necessário, segundo os autores, seguir investigando para compreender a influência que o tipo de sangue tem na infecção pelo patógeno, o artigo se junta a conclusões de artigos anteriores, que apontavam para uma possível relação entre o grupo sanguíneo e a suscetibilidade e a gravidade da covid-19.

    Para chegar às conclusões, os pesquisadores avaliaram uma proteína da superfície do SARS-CoV-2, denominada domínio de união ao receptor (RBD), que está dentro da proteína spike – a parte do vírus que adere às células hospedeiras.

    Um comunicado da Sociedade Americana de Hematologia indica que se trata de um estudo importante para entender como é produzida a infecção.

    Em experimentos laboratoriais, a equipe avaliou como o RBD do novo coronavírus interagia com cada tipo de sangue.

    Foi percebida uma “forte preferência” por se unir ao grupo A que se encontra nas células respiratórias, no entanto, não mostrava predileção pelos glóbulos vermelhos deste mesmo grupo, nem por de outros.

    A capacidade do RBD de reconhecer e se unir preferencialmente ao antígeno do grupo sanguíneo A, que está nos pulmões das pessoas deste, pode acrescentar informações sobre a possível relação entre o tipo A e a covid-19, informam os autores.

    “É interessante que o RBD viral só prefira realmente o tipo de antígenos do grupo sanguíneo A que estão nas células respiratórias, que são presumivelmente a forma em que o vírus entra na maioria dos pacientes e os infecta”, aponta o autor do estudo, Sean R. Stowell, do Hospital Brigham and Women’s, localizado em Boston, nos Estados Unidos.

    O especialista lembra que as pessoas não podem trocar o tipo sanguíneo, mas que a compreensão da relação entre ele e o patógeno, pode ajudar a encontrar “novos medicamentos ou métodos de prevenção”.