13 de maio de 2021
Mais
    Capa Notícias Brasil "Cachorro na rua tem que matar", diz vereador durante reunião
    PARLAMENTAR CRITICADO

    “Cachorro na rua tem que matar”, diz vereador durante reunião

    "Cachorro em rua para mim é perder tempo. Se eu passar por cima do cachorro, nem olho para trás", continuou a comentar sobre os cães

    Imagem: Vereador Eli Correa "Cachorro na rua tem que matar", diz vereador durante reunião
    Reprodução

    A gravação de uma reunião da Câmara de João Pinheiro, a 400 km de Belo Horizonte, mostra o momento em que o vereador Eli Corrêa (DEM) defende a morte de cães que vivem nas ruas da cidade.

    “Cachorro na rua tem que matar. Cachorro na rua como vê por aí, adoece, trazendo problema de saúde para população”, afirmou o parlamentar de 66 anos durante o encontro na última terça-feira (20).

    A fala foi dada enquanto os vereadores votavam um projeto de lei sobre um mês de “prevenção à crueldade contra os animais” na cidade. O texto foi aprovado com 11 votos favoráveis. Corrêa foi o único a votar contrariamente.

    Enquanto defendia seu voto contrário, o vereador citou diversas vezes sobre possíveis doenças em animais que vivem nas ruas e falou que conhecem pessoas que morreram vítimas de leishmaniose.

    “Cachorro em rua para mim é perder tempo. Se eu passar por cima do cachorro, nem olho para trás”, continuou a comentar sobre os cães.

    A fala do vereador causou repercussão não só na cidade de 45 mil habitantes. Ativistas dos direitos dos animais de todo o país criticaram o posicionamento do parlamentar. “Meu Deus do céu! Como este tipo de gente é eleito?!”, escreveu a ativista Luísa Mel em uma rede social.

    Investigação

    Na tarde desta sexta-feira (23) o MPMG (Ministério Público de Minas Gerais abriu uma investigação para apurar possível apologia a maus-tratos a animais por parte do vereador.

    A reportagem procurou Corrêa e com a Câmara de João Pinheiro para comentar sobre o caso, mas aguarda retorno.