18 de abril de 2021
Mais
    Capa Notícias Brasil Secretário de Comunicação promete campanha publicitária sobre Covid-19
    NO SENADO

    Secretário de Comunicação promete campanha publicitária sobre Covid-19

    O secretário especial de Comunicação Social (Secom) do Ministério das Comunicações, Flávio Augusto Viana Rocha, disse que campanha vai dar orientações corretas sobre cuidados preventivos.

    Imagem: comisao covid senado Secretário de Comunicação promete campanha publicitária sobre Covid-19
    Chefe da Secom do Governo Federal respondeu questionamentos dos senadores em audiência remota. Foto: Ag. Senado

    Senadores cobraram nesta terça-feira (6) uma campanha nacional urgente, do governo federal, com um discurso unificado para informar a população brasileira sobre a prevenção à covid-19 e o incentivo à vacinação no país. A cobrança foi feita ao secretário especial de Comunicação Social (Secom) do Ministério das Comunicações, Flávio Augusto Viana Rocha, durante audiência da comissão temporária criada para acompanhar as ações contra a covid-19.

    O almirante de esquadra chefiava a Secretaria de Assuntos Estratégicos e assumiu o cargo no dia 11 de março, substituindo Fábio Wajngarten.

    Para os senadores, até o momento, o governo não conseguiu repassar informações básicas à sociedade por meio de campanhas oficiais, o que tem agravado ainda mais a crise sanitária no país.

    O relator da comissão, senador Wellington Fagundes (PL-MT), observou que o Brasil está atrasado em relação ao plano de comunicação e pediu celeridade na elaboração de ações transparentes e esclarecedoras, principalmente as relativas à vacinação.

    “Todos os dias todo o povo brasileiro é apanhado pela decepção, ao acordar pela manhã. Fica sem saber como será colocado, que dia será o dia dele (da vacinação). Essa informação está desencontrada nos estados, nos municípios. O importante é que o brasileiro quer saber que dia que a vacina vai chegar no braço dele. Por isso, nós entendemos que unificar a informação de forma transparente será de grande ajuda nesse momento tão dramático que vivemos”, disse.

    O secretário disse que o Governo Federal informou que o setor de comunicação iniciou as campanhas com esclarecimentos sobre a doença, medidas preventivas e, mais recentemente, ações relativas à vacina desde fevereiro de 2020. Em resposta ao senador, afirmou que pretende intensificar as campanhas.

    “Nós temos todo um planejamento para que seja enfatizada a inserção de peças publicitárias, como falei, em todos os meios para justamente fazer frente a esse período em que está, realmente, a nova variante muito forte. A sociedade brasileira foi surpreendida pela nova variante desde o final do ano passado, mas o setor de comunicação do governo está pronto para continuar fazendo o seu papel de orientar a sociedade à luz das recomendações que são emanadas principalmente do Ministério da Saúde e dos entes como um todo”, afirmou.

    PREVENÇÃO
    Os senadores criticaram a falta de alinhamento entre o discurso do governo, e principalmente, o comportamento do presidente da República, Jair Bolsonaro, com as orientações e recomendações científicas sobre a doença. Eles defenderam a elaboração de peças publicitárias com informações sobre distanciamento social, uso de máscara e a participação do Chefe da Nação na condução desse discurso.

    “É inacreditável que o presidente da República, que é o maior formador de opinião deste país pela posição que ele tem, estratégica, não use esse seu poder de comunicação para informar bem a sociedade brasileira. É inacreditável que ele chegue na data, por exemplo, de receber a vacina e não se vacine – ou, se vacinou, ele não informou isso para ninguém. Ou seja, aquele que está na condução da política, infelizmente, não está fazendo aquilo que deveria fazer, que é o comando desta política para o enfrentamento da pandemia”, a senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA), seguida também pelos senadores Styvenson Valentim (Podemos-RN) e Zenaide Maia (Pros-RN).

    Em resposta, o secretário informou que as campanhas em elaboração estão sendo orientadas por Bolsonaro e que serão voltadas para o momento atual, inclusive com foco na adoção do distanciamento social.

    “Vamos implementar a estratégia que é adequada para o momento atual, gravíssimo, em que a população precisa, cada vez mais, de orientação e de foco para cumprir procedimentos individuais e coletivos. Não estou falando de lockdown, não estou falando de abertura geral; estou falando de distanciamento social, com que, como nós bem sabemos, cada ente da Federação tem a sua autonomia”, explicou Flávio Viana Rocha ao exibir alguns banners com imagens de pessoas fazendo uso de máscara de proteção.

    RECURSOS
    Segundo dados do Portal da Transparência apresentados pelo senador Wellington Fagundes, o Orçamento de 2020 alocou R$294 milhões para publicidade de utilidade pública, mas só foram executados R$194 milhões. Ele manifestou preocupação com o desempenho das ações de comunicação já que a previsão de R$ 242 milhões para 2021 ainda não foi sancionada.

    O almirante esclareceu que o recurso para financiar as campanhas que estão sendo desenvolvidas neste início de ano foi assegurado por meio da MP 1.015/2020.

    Os detalhes sobre a destinação dos valores, a distribuição desse material para os veículos e o alcance das peças publicitárias, segundo o secretário, serão encaminhados posteriormente à comissão e aos senadores.