08 de maio de 2021
Mais
    Capa Destaques Defensoria quer indenização de R$1,7 milhão por agressão a morador de rua
    MATO GROSSO

    Defensoria quer indenização de R$1,7 milhão por agressão a morador de rua

    O pedido foi dividido em indenização por danos morais nos valores de R$ 700 mil por danos individuais cometidos contra Anderson e R$ 1 milhão a título de danos coletivos

    Um caso de agressão ocorrido em abril do ano passado em Sinop que viralizou nas redes sociais e causou revolta em grande parte da sociedade voltou à tona essa semana. Na época, o agressor tentou justificar o fato.

    A Defensoria Pública de Mato Grosso, por meio da 4ª Defensoria Cível de Sinop e do Grupo de Atuação Estratégica em defesa da População em Situação de Rua ingressou com uma Ação Civil Pública e pede um total de R$1,7 milhão pela agressão sofrida pelo morador de rua Anderson Luis da Silva Zahn, 26 anos.

    Devido à vida nas ruas e também por lutar contra uma dependência química, Anderson acabou se separando há cerca de dois anos. “Foi por conta das drogas. Mas um amigo de um advogado me procurou, ofereceu ajuda, e eu fui no mesmo dia para uma clínica me tratar, narcóticos anônimos. No começo, eu não queria muito o tratamento, depois foi entrando na minha cabeça”, confessou.

    Foram seis meses de tratamento em uma clínica de reabilitação particular em Cuiabá. “Quando eu saí, meu cunhado me arrumou um serviço de servente. Depois que saí da clínica, não parei de trabalhar e nunca mais usei drogas. Agora, estou trabalhando como pedreiro”, contou, orgulhoso, por telefone.

    O pedido foi dividido em indenização por danos morais nos valores de R$ 700 mil por danos individuais cometidos contra Anderson e R$ 1 milhão a título de danos coletivos causados às pessoas em situação de rua, valor que seria destinado ao Fundo Estadual de Defesa das Pessoas em Situação de Rua.