16 de maio de 2021
Mais
    Capa Bastidores Lideranças políticas retomam aproximação com a Santa Casa Rondonópolis
    COMEÇAR DE NOVO

    Lideranças políticas retomam aproximação com a Santa Casa Rondonópolis

    Imagem: Arg Viniciu stacasa Lideranças políticas retomam aproximação com a Santa Casa Rondonópolis
    Argemiro Ferreira e Vinicius Amoroso visitaram o hospital e disseram que município pode ampliar contratos para atendimentos via SUS – Foto: Assessoria

    A semana começa com expectativas positivas na Santa Casa de Rondonópolis. Na semana passada o hospital recebeu a visita do no secretário de Saúde do município, Vinicius Amoroso, do deputado estadual Thiago Silva (MDB) e outras lideranças políticas. Todos hipotecaram solidariedade e manifestaram interesse na ampliação dos investimentos públicos no hospital.

    O deputado Thiago Silva informou confirmou a destinação de R$ 200 mil em emenda parlamentar e disse que, juntamente com os colegas da Assembleia, trabalha para conseguir recursos visando ampliar os atendimentos na ala de Covid-19 e também nos modernos centros de radiologia e oncologia.

    Mas a visita que despertou maior atenção foi a do secretário Vinicius Amoroso. A expectativa é que ela marque uma nova etapa no relacionamento entre a direção do Hospital e a Prefeitura de Rondonópolis, que foi estremecido pelas negociações fracassadas envolvendo a locação de 10 leitos de UTI pelo município.

    Vinicius estava acompanhado de Argemiro Ferreira, presidente da Coder, e ambos afirmaram que o município deseja ampliar a parceria. Os dois são próximos ao prefeito José Carlos do Pátio e têm bom trânsito com a Câmara Municipal – o que aumenta a expectativa de que os desejos se transformem em fatos.

    Fontes ouvidas pela coluna consideram que os ‘bons ventos’ vão depender muito da postura de algumas figuras que têm ‘orbitado’ a Santa Casa. A avaliação é que os gestores públicos sabem do potencial da Santa Casa e têm interesse em fortalecer a estrutura, inclusive para suportar o aumento da demanda no pós-pandemia. Mas é preciso haver boa vontade dos dois lados.

    “O problema é que a classe política tem sido hostilizada por pessoas que não integram legalmente a administração, mas falam publicamente em nome do hospital. Isso não ajuda nada. Parceria é um caminho de mão dupla”, alertou uma liderança que tem trabalhado para a aproximação das partes.