18 de abril de 2021
Mais
    Capa Notícias Brasil Pesquisa confirma eficiência da CoronaVac contra 'novo' coronavírus
    BOA NOTÍCIA

    Pesquisa confirma eficiência da CoronaVac contra ‘novo’ coronavírus

    Estudo foi feito com trabalhadores da Saúde, próximo passo será avaliar a efetividade da Coronavac e também da vacina Oxford/AstraZeneca em idosos.

    Imagem: vacina coronavac Pesquisa confirma eficiência da CoronaVac contra 'novo' coronavírus
    Pesquisa feita por cientistas do Brasil e do exterior confirmou eficiência contra nova variante – Foto: Reprodução

    Um estudo divulgado pelo grupo Vebra Covid-19 confirma que a vacina CornavaVac também é eficiente contra a nova cepa do Coronavírus, chamada de variante P.1 e identificada inicialmente em Manaus (AM). Os dados mostraram uma eficiência e 50% na prevenção do adoecimento por Covid-19 após 14 dias da aplicação da primeira dose da vacina.

    O estudo analisou informações de 67.718 trabalhadores de saúde que moram e trabalham em Manaus, onde a nova variante predomina. A pesquisa seguirá a coleta e análise de dados nas próximas semanas, mas as informações iniciais foram recebidas com otimismo pelo cientista Júlio Croda, que é infectologista da Fiocruz e coordena o estudo.

    “Os resultados são encorajadores. Eles mostram que a Coronavac segue sendo efetiva para a nova variante do Brasil e poderá ser usada no mundo todo para prevení-la”, afirma.

    VARIANTE
    A nova variante foi descoberta em 10 de janeiro de 2021, quando o Japão notificou o Brasil de que quatro viajantes com sintomas de Covid-19 que desembarcaram em Tóquio vindos do Amazonas estavam infectados.

    Apelidada de ‘Variante de Manaus’, por causa da origem dos primeiros casos, ela rapidamente se espalhou pelo Brasil e também em outros países. Ela tem 12 mutações (diferenças genéticas) em relação ao coronavírus original e aparentemente é transmitida com mais facilidade.

    O Vebra Covid-19, autor do estudo de Manaus, é formado por pesquisadores de instituições nacionais e internacionais, como Fiocruz, Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Universidade de Brasília (UnB), Barcelona Insitute for Global Health, Yale School of Public Health, Stanford Medicine e University of Florida, e por servidores das secretarias estaduais e municipais de saúde do Amazonas e de São Paulo. Ele tem o apoio da Opas (Organização Panamericana de Saúde).

    O próximo passo da pesquisa agora será avaliar a efetividade da Coronavac e também da vacina Oxford/AstraZeneca em idosos das cidades de Manaus, Campo Grande (MS) e em todo os municípios do estado de São Paulo.