11 de maio de 2021
Mais
    Capa Destaques “Povo cuiabano não é cobaia”, diz Emanuel sobre vacina russa Sputnik
    SEM AVAL DA ANVISA

    “Povo cuiabano não é cobaia”, diz Emanuel sobre vacina russa Sputnik

    Governo do Estado já assinou contrato que prevê aquisição de 1,2 milhão de doses

    Imagem: vacina covid 19 1 “Povo cuiabano não é cobaia”, diz Emanuel sobre vacina russa Sputnik
    Emanuel disse que não aceitará vacina sem aval da Anvisa – Foto: AgoraMT

    O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (MDB), afirmou que não permitirá que a população da Capital seja imunizada contra a Covid-19 com a vacina russa Sputnik V, caso ela não tenha o aval da Anvisa.

    Na última semana, o governador Mauro Mendes (DEM) assinou um contrato para a compra de 1,2 milhão de doses do imunizante, por meio do consórcio dos governadores da Amazônia.

    Ocorre que a Anvisa convocou os governadores para explicar em detalhes as dificuldades que o órgão regulador vem enfrentando para avançar com a autorização para o uso emergencial. De acordo com a agência, ainda há pendências nas documentações relativas à Sputnik.

    “Eu vi que está tendo uma busca jurídica para que, se [o imunizante] for aprovado por outro órgão sanitário internacional, possa ser aplicado aqui no Brasil, independente da Anvisa”, citou o prefeito da Capital.

    “O órgão que garante a segurança da vacina é a Anvisa, o Ministério da Saúde. Se não tiver o aval deles, Cuiabá não vai vacinar com a Sputnik de forma alguma. O povo cuiabano não é cobaia”, emendou Emanuel.

    Questionado se a assinatura do contrato seria uma medida precipitada por parte de Mendes, já que ainda não há liberação para uso emergencial da Sputnik no Brasil, o prefeito preferiu não polemizar.

    “Não sei o que levou o governo a anunciar, precipitadamente, uma decisão que não tinha sido nem tomada ainda. Mas eu prefiro não julgar, por não conhecer detalhes dessa negociação. Eu só posso dizer que o povo cuiabano só vai ser vacinado se a Anvisa aprovar. Se a Anvisa não aprovar, essa vacina não entra aqui”, concluiu.