16 de maio de 2021
Mais
    Capa Notícias Brasil Especialistas vão ao Senado explicar 'tratamento precoce' e protocolos
    SERÁ QUE FUNCIONA?

    Especialistas vão ao Senado explicar ‘tratamento precoce’ e protocolos

    A audiência pública remota vai ouvir médicos, cientistas e representantes do Conselho Federal de Medicina sobre os protocolos utilizados no tratamento da covid-19 no Brasil

    Imagem: HOSPITAL LEITOS UTI COVID CORONAVIRUS FOTO DIVULGACAO AGENCIA BRASIL Especialistas vão ao Senado explicar 'tratamento precoce' e protocolos
    Definição de protocolos pode aumentar segurança, sem afetar autonomia dos Médicos para decidir o tratamento – Foto: Agência Brasil

    A Comissão da Covid-19 (CTCOVID19) ouvirá na segunda-feira (19), às 10h, representantes do Conselho Federal de Medicina (CFM) e do Instituto Questão de Ciência (IQC), além de especialista na área de medicina intensiva. O objetivo da audiência pública remota é debater sobre os protocolos utilizados no tratamento da covid-19 no Brasil.

    Participarão da reunião Donizetti Dimer Giamberardino Filho, 1º vice-presidente do Conselho Federal de Medicina; Natália Pasternak, presidente do Instituto Questão de Ciência; e Fabrício Silva, médico intensivista.

    O pedido para a realização da audiência pública foi feito pelo senador Wellington Fagundes (PL-MT), relator da comissão. O parlamentar disse estar preocupado com a utilização, por alguns médicos, de medicamentos usados como “tratamento precoce”, que não têm comprovação científica contra a doença.

    “Cada cidade, cada região, cada médico pode criar o seu protocolo próprio, e a base desse protocolo é o que mais está se discutindo, como o uso da cloroquina, da ivermectina e outros medicamentos, em que grande parte fala da ineficácia desses tratamentos”, argumentou o senador em reunião do grupo realizada no dia 17 de março.

    Especialistas no mundo inteiro defendem a definição de protocolos de tratamento, fundados no conhecimento científico, para aumentar a eficiência e também proteger os profissionais e unidades de Saúde de futuras ações judiciais.

    O colegiado foi criado em fevereiro com a finalidade de acompanhar assuntos relacionados à pandemia de covid-19. A comissão é composta por 12 senadores e igual número de suplentes, sendo o senador Confúcio Moura (MDB-RO) o presidente do grupo e, o vice-presidente, o senador Styvenson Valentim (Podemos-RN).