11 de maio de 2021
Mais
    Capa Destaques Deputada diz não questionar ciência, mas vê burocracia da Anvisa
    SPUTNIK BARRADA

    Deputada diz não questionar ciência, mas vê burocracia da Anvisa

    Janaina Riva lembrou que o imunizante já é utilizado em mais de 60 países

    Imagem: Janaina Riva Deputada diz não questionar ciência, mas vê burocracia da Anvisa
    A deputada Janaina Riva, que vê burocracia para liberação da Sputnik – Foto: Assessoria

    A deputada estadual Janaina Riva (MDB) criticou a decisão da Anvisa, que negou o uso emergencial no Brasil da vacina russa contra a Covid-19, a Sputnik V. O pedido de importação foi rejeitado no último dia 26, por unanimidade.

    A exemplo de outros Estados, o governo de Mato Grosso havia assinado um contrato para compra de 1,2 milhão de doses do imunizante.

    Na avaliação da parlamentar, há muita “burocracia” no processo de análise da agência reguladora para eventual liberação da vacina.

    “Não nos cabe questionar essa questão da ciência, porque eles são os especialistas, mas não consigo entender como uma vacina que já está sendo utilizada em 61 países não possa ser utilizada no Brasil”, argumentou.

    Janaina, inclusive, comparou a eficácia da vacina russa com outras que já estãos endo aplicadas pelos estados brasileiros.

    “A Sputnik tem mais de 90% de eficácia. A Coronavac tem eficiência menor. Então, a burocracia ainda emperra as coisas neste país. Não deveria ser assim neste momento. Não temos que ficar escolhendo muito. É preocupante”, disse.

    “Entendo a questão da documentação, mas acho que deveria ter uma consciência maior. Se já está sendo utilizado em 60 países, não apresentou efeito colateral, não tem contraindicação, não vejo o porquê de o Brasil não aplicar”, emendou.

    Ainda segundo a deputada, o laboratório responsável pela produção já afirmou que a pressão na aquisição, neste momento, tem que partir do Brasil, uma vez que há outros milhares de países com intenção de compra.

    “Para nós mato-grossenses seria uma grande saída. Teríamos um terço da população vacinada de maneira direta e rápida”, concluiu.