20 de junho de 2021
Mais
    Capa Notícias Brasil Governo do Maranhão repreende Bolsonaro por não usar máscara
    CRÍTICA

    Governo do Maranhão repreende Bolsonaro por não usar máscara

    Chefe do Executivo esteve em cidades do Estado na quinta e sexta-feira, causou aglomeração e atacou Flávio Dino

    Imagem: bolsonaro sem mascara Governo do Maranhão repreende Bolsonaro por não usar máscara
    Reprodução

    O governo do Maranhão autuou nesta sexta-feira (21) o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) por gerar aglomeração e não usar máscara em agendas públicas em cidades do Estado.

    A informação foi divulgada pelo governador Flávio Dino (PCdoB) nas redes sociais. O auto de infração é com base na Lei Federal 14.019/2020, assinada pelo próprio Bolsonaro, que torna obrigatório o uso de máscara em espaços públicos e privados. O valor inicial da multa é de R$ 2.000.

    “Estamos vivendo uma fase especialmente desafiadora da pandemia. A equipe de saúde tem trabalhado muito. E hoje resolveu lavrar Auto de Infração contra o presidente da República pela promoção no Maranhão de aglomerações sem nenhum cuidado sanitário. A lei é para todos”, disse Dino.

    Bolsonaro cumpriu agenda pública em cidades do Maranhão. Na última sexta-feira (21), esteve em Açailândia para a entrega simbólica de títulos de terra a assentados do Estado. Durante a cerimônia, o chefe do Executivo fez duras críticas ao governador.

    “Lá na Coreia do Sul [na verdade, Coreia do Norte] tem uma ditadura, o ditador não é um gordinho? Na Venezuela, também uma ditadura, não é um gordinho lá o ditador? E quem é o gordinho ditador aqui do Maranhão?”, disparou o presidente, seguido por gritos “Fora, Flávio Dino” da plateia presente na cerimônia.

    O governador do Maranhão comentou o ataque. “Bolsonaro anda preocupado com o meu peso, algo bem estranho e dispensável. Tenho ótima saúde física e mental. E estou ocupado com vacinas, pessoas doentes, medidas sociais, coisas sérias. Trabalho muito. Não tenho tempo para molecagens, cercadinhos e passeios com dinheiro público”, afirmou.