19 de junho de 2021
Mais
    Capa Destaques Governo rebate críticas da Prefeitura e diz não se pautar por “conversa...
    VLT X BRT

    Governo rebate críticas da Prefeitura e diz não se pautar por “conversa fiada”

    Estado afirmou que os dados técnicos comprovaram a viabilidade do BRT

    Imagem: vlt
    Governo optou pela troca do VLT pelo BRT – Foto: Reprodução

    O governador Mauro Mendes (DEM) rebateu críticas feitas pela prefeitura de Cuiabá no que diz respeito à audiência pública que debateu a implantação do BRT na Capital e em Várzea Grande.

    No encontro, realizado de forma virtual, na última sexta-feira (7), o Estado afirmou que os dados técnicos comprovaram a viabilidade do BRT como solução de mobilidade urbana na Região Metropolitana.

    O Município, por sua vez, alegou que a audiência foi “direcionada” e que as equipes do Governo se utilizaram da maior parte do tempo para comentar imbróglios jurídicos, ao invés de se debruçarem na apresentação de fundamentos técnicos e do projeto em si.

    Segundo o secretário de Mobilidade Urbana de Cuiabá, Juares Samaniego, a prefeitura não teria sido convidada para participar da sessão.

    Questionado sobre as alegações, o governador disparou: “Não tem o menor fundamento que ele falou, a prefeitura foi convocada em tempo hábil. Foram feitas propagandas em rádio, foi feito chamando para esta audiência pública, demos ampla publicidade”.

    “Além disso, seguimos rigorosamente aquilo que são ritos de uma audiência pública. Agora, eu não me pautar por conversa fiada”, emendou o governador.

    Polêmica sob trilhos

    A mudança do VLT para o BRT é um dos capítulos do entrave entre o governador e o prefeito da Capital, Emanuel Pinheiro (MDB).

    Mendes se mostra irredutível em retomar a implantação do VLT e já chegou a dizer, entre outros pontos, que o modal é “símbolo da corrupção em Mato Grosso”.

    Já o prefeito, que é defensor do VLT – por entender que o veículo é mais viável e moderno – acusa o Estado de querer “impor” a troca do modal “goela abaixo da população”.