11 de maio de 2021
Mais
    Capa Destaques Juiz dá prazo de 72 horas para MT explicar compra de jatinho
    AÇÃO DA OPOSIÇÃO

    Juiz dá prazo de 72 horas para MT explicar compra de jatinho

    O deputado estadual Lúdio Cabral (PT) foi à Justiça pedindo a anulação do contrato

    Imagem: Mauro Mendes poderese Juiz dá prazo de 72 horas para MT explicar compra de jatinho
    O governador Mauro Mendes, que defendeu aquisição de aeronave – Foto: Gcom-MT

    O juiz Bruno D’Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ação Cível Pública de Cuiabá, fixou um prazo de 72 horas para que o Governo do Estado se manifeste a respeito da compra de um “jatinho” no valor de US$ 1,5 milhão (aproximadamente R$ 8,5 milhões).

    A decisão foi dada no último dia 30 e o prazo passa a contar a partir da notificação do Estado.

    A ação popular foi proposta pelo deputado estadual de oposição, Lúdio Cabral (PT), que pede a anulação do contrato, firmado por meio de dispensa de licitação.

    “Notifique-se o ente público requerido, por meio de seu representante legal, para que, no prazo de 72 (setenta e duas) horas, manifeste-se sobre a liminar pleiteada pelo autor”, determinou o magistrado, em trecho da decisão.

    A aquisição da aeronave Cessna, modelo Citation Bravo C 550, foi publicada no Diário Oficial do Estado que circulou no início de abril.

    Ao pleitear a anulação do contrato, Lúdio apontou supostas ilegalidades no processo de aquisição e questionou a necessidade do gasto em meio à pandemia da Covid-19.

    “Cada governante elege suas prioridades. Por que é prioridade do atual governo comprar um jato de luxo? Mato Grosso deveria usar os recursos para proteger a população mais vulnerável, investir em um programa de renda emergencial às famílias que estão passando fome e dar apoio às micro e pequenas empresas atingidas pela pandemia”, argumentou ele, em trecho da ação.

    “Além disso, a aquisição desse jato é ilegal. Não existe justificativa para fazer uma compra dessa sem licitação”, emendou o deputado.

    O petista citou ainda que, em março passado, a própria Procuradoria-Geral do Estado (PGE) teria emitido um parecer inicialmente contrário à aquisição, sob alegação de não ter visto nenhuma justificativa para comprar o jatinho sem licitação.

    A compra já foi questionada também por membros da base aliada do governo, a exemplo da deputada estadual Janaina Riva (MDB).

    Recentemente, o governador Mauro Mendes se posicionou sobre o assunto e disse que a aquisição é fruto de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) firmado pelo Tribunal de Justiça (TJ-MT) e representará economia aos cofres públicos.

    “Criticar todo mundo critica. Vi ex-governador [Pedro Taques] que gastou quase R$ 20 milhões em táxi aéreo andando aí por Mato Grosso. Eu ando pra baixo e pra cima, vou a muitos lugares sempre de voo de carreira. Se olhar o que gastamos é muito pouco”, afirmou na ocasião.