16 de junho de 2021
Mais
    Capa Destaques Edna aciona MPF por segurança a vereadora vítima de ameaças
    “MENSAGENS ODIENTAS”

    Edna aciona MPF por segurança a vereadora vítima de ameaças

    Parlamentar de Sinop sofreu retaliações por conta de outdoors contra Bolsonaro

    Imagem: Edna Sampaio Edna aciona MPF por segurança a vereadora vítima de ameaças
    A vereadora Edna Sampaio, autora da representação – Foto Divulgação

    A vereadora por Cuiabá, Edna Sampaio (PT), ingressou com representação no Ministério Público Federal em Mato Grosso (MPF-MT) pedindo segurança a vereadora de Sinop, professora Graciele (PT), em razão de ameaças sofridas pela parlamentar.

    A petista passou a ser alvo de ataques após ser apontada como uma das financiadoras de outdoors com críticas ao presidente Jair Bolsonaro, que foram instalados em Sinop.

    As peças publicitárias continham os seguintes dizeres: “cemitérios cheios, geladeiras vazias. Governo ruim não salva vidas, nem a economia”.

    “A vereadora passou a ser vítima de uma enxurrada de mensagens odientas, em grupos de WhatsApp, carregadas de discurso de ódio, caluniosas, injuriosas e ameaçadoras, dando a sensação, inclusive, de estar em risco sua integridade física”, diz um trecho do documento protocolado no MPF.

    Além de proteção a colega de partido, Edna Sampaio pediu que o MPF puna os autores dos ataques que circulam pelas redes sociais contra a vereadora.

    O caso tem forte repercussão no Município de Sinop e a própria empresa que instalou os outdoors acabou removendo as peças, em razão de também sofrido ameaças.

    Segundo a Associação de Docentes da UFMT (Adufmat) – uma das entidades que estava à frente da ação – seriam instalados 10 outdoors.

    Mas a empresa de mídia responsável não chegou a finalizar o serviço, pois cedeu a diversas ameaças de empresários. Apoiadores do presidente divulgaram uma nota apócrifa com os dados da empresa.

    A representação feita por Edna Sampaio foi encaminhada ao MPF-MT, à Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão e à Procuradoria da República em Sinop (MT).

    O documento aponta violação aos direitos humanos e ao Pacto sobre Direitos Civis e Políticos, que garante aos cidadãos o direito de não serem discriminados por sua opinião política.