03 de agosto de 2021
Mais
    Capa Notícias Brasil Embaixada avisou Governo em janeiro sobre custo exagerado da Covaxin
    SUSPEITA DE CORRUPÇÃO

    Embaixada avisou Governo em janeiro sobre custo exagerado da Covaxin

    Mesmo com esse alerta o Ministério da Saúde do Brasil aceitou pagar US$ 15 por dose em negócio de R$ 1,6 bilhão; MPF investiga suspeita de superfaturamento, corrupção e outros crimes

    Imagem: Embaixada avisou Governo em janeiro sobre custo exagerado da Covaxin
    Valores negociados com o Brasil são muito superiores aos registrados em vendas para outros países – Foto: Reprodução

    A Embaixada do Brasil na Índia alertou o Governo Federal sobre as disparidades no preço da vacina Covaxin um mês antes do acordo fechado com a empresa Precisa Medicamentos, que intermediou o negócio. Conforme reportagem divulgada hoje (24) pelos jornalistas Hanrrikson de Andrade e Luciana Amaral, do UOL, em ofício enviado no dia 15 de janeiro os diplomatas informaram que o valores negociados pela Índia com países europeus era muito menor que o cobrado pelas 20 milhões de doses em aquisição pelo Brasil.

    O investimento é de R$ 1,6 bilhão e tem chamado a atenção também pelo envolvimento direto de autoridades do Governo para viabilizar o negócio. O acordo com a Precisa é investigado pelo MPF (Ministério Público Federal), que identificou indícios de crime no contrato e suspeita de superfaturamento, corrupção, entre outras possíveis irregularidades. A CPI da Covid, no Senado Federal, também apura o caso.

    Durante as conversas com a empresa, a diplomacia brasileira na Índia comunicou ao Ministério das Relações Exteriores que o custo da Covaxin estava em discussão no país da Ásia meridional. O governo do primeiro-ministro Narendra Modi era criticado por ter pago US$ 4,10 por dose —valor superior ao praticado na Europa em acordos por outro imunizante, o da AstraZeneca/Oxford.

    Mesmo com esse alerta o Ministério da Saúde do Brasil aceitou pagar US$ 15 por dose (R$ 80,70, na cotação da época) no acordo com a Covaxin, e fechou a aquisição de 20 milhões de doses junto à Precisa Medicamentos, ao custo final de R$ 1,6 bilhão. O negócio foi fechado em fevereiro.

    Trata-se da vacina mais cara entre as que foram compradas pelo governo Bolsonaro até o momento. Esse preço por dose estabelecido no acordo com o Brasil representa aproximadamente 1.000% a mais do que o valor que havia sido estipulado pela fabricante seis meses antes (US$ 1,34).

    Em nota, a defesa do laboratório Barat Biotech alegou que a precificação segue uma tabela prefixada para o mercado internacional. O Ministério da Saúde ainda não se pronunciou sobre o caso.