13 de junho de 2021
Mais
    Capa Destaques Max Russi sanciona Lei que cria Delegacia Especializada de Roubo de Cargas
    NO EXECUTIVO

    Max Russi sanciona Lei que cria Delegacia Especializada de Roubo de Cargas

    Proposta é do presidente da Assembleia Legislativa. Nova medida garante segurança aos transportadores em Mato Grosso

    Governador em exercício, o presidente da Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), deputado Max Russi (PSB), sancionou a Lei Complementar nº 691, que cria a Delegacia Especializada de Roubo de Cargas em Mato Grosso. A proposta, de autoria do próprio parlamentar, foi apresentada na Casa de Leis e aprovada pelos deputados estaduais.

    A nova medida atribui a investigação de furto ou roubo de bancos, caixas eletrônicos, defensivos agrícolas e cargas transportadas em vias terrestres, fluviais ou aéreas à Divisão de Investigações Especiais da Polícia Civil, fortalecendo apoio às averiguações de crimes em andamento em outras delegacias.

    Imagem: Max Russi
    O presidente da Assembleia Legislativa, Max Russi – Foto: assessoria

    O parlamentar lembra que em nosso estado, a cada ano, aumenta a incidência do roubo de cargas, conforme o Sindicato de Empresas de Transportes e Cargas de Mato Grosso (Sindmat), que argumenta: as transportadoras tem sido as mais prejudicadas.

    “Esse foi um pedido dos sindicatos, que estão sofrendo com esse tipo de crime em nosso estado. Creio que, com essa nova lei, o combate seja mais intenso, dificultando esse tipo de delito”, garante.

    Em 2019, o deputado Max Russi sugeriu a criação de políticas integradas de segurança pública nas rodovias federais e estaduais de Mato Grosso, em cooperação entre as forças policiais do Estado e da União, no combate ao roubo de cargas e caminhões.

    Na época, a Indicação nº 1372/2019, apresentada a Casa de Leis pelo parlamentar, foi encaminhada a Superintendência Regional do Departamento de Polícia Rodoviária Federal.

    A intenção é de Max é reforçar o combate a esse tipo de delito, assim como desarticular o “modus operandi” dos criminosos, por meio da instrumentalização de operações entre as polícias, tendo como base o compartilhamento de dados e a cooperação mútua.