Mais
    Agora MT Brasil Pazuello participou de negociação de vacinas com valores suspeitos
    COVID-19

    Pazuello participou de negociação de vacinas com valores suspeitos

    Reportagem do jornal 'Folha de São Paulo' repercute vídeo em que o ex-ministro Pazuello confirma negociação com grupo que ofereceu vacinas a presos três vezes maiores

    FONTE
    VIA

    Imagem: naom 60aa7c0b3f1e4 Pazuello participou de negociação de vacinas com valores suspeitos
    Revelação feita em reportagem contraria afirmação de Pazuello à CPI negando envolvimento em negociações – Foto: Reprodução

    O então ministro Eduardo Pazuello (Saúde) atuou diretamente nas negociações com um grupo de intermediadores para comprar 30 milhões de doses da vacina chinesa Coronavac. A informação foi divulgada hoje pelo jornal ‘Folha de São Paulo’, que afirma que as vacinas foram oferecidas ao governo por quase o triplo do preço negociado pelo Instituto Butantan.

    A negociação, em uma reunião fora da agenda oficial dentro do ministério em 11 de março, teve o seu desfecho registrado em um vídeo em que o general da ativa do Exército aparece ao lado de quatro pessoas que representariam a World Brands, uma empresa de Santa Catarina que lida com comércio exterior.

    A gravação, obtida pela Folha e já de posse da CPI Covid no Senado, foi realizada no gabinete do então secretário-executivo da pasta, o coronel da reserva Elcio Franco. Nela, Pazuello relata o que seria o resumo do encontro.

    “Já saímos daqui hoje com o memorando de entendimento já assinado e com o compromisso do ministério de celebrar, no mais curto prazo, o contrato para podermos receber essas 30 milhões de doses no mais curto prazo possível para atender a nossa população”, diz o então ministro, segundo quem a compra seria feita diretamente com o governo chinês.

    A proposta da World Brands, também obtida pela Folha, oferece os 30 milhões de doses da vacina do laboratório chinês Sinovac pelo preço unitário de US$ 28 a dose, com depósito de metade do valor total da compra (R$ 4,65 bilhões, considerando a cotação do dólar à época) até dois dias após a assinatura do contrato.

    Naquele dia, 11 de março, o governo brasileiro já havia anunciado, dois meses antes, a aquisição de 100 milhões de doses da Coronavac do Instituto Butatan, pelo preço de US$ 10 a dose. A demissão de Pazuello seria tornada pública por Bolsonaro quatro dias depois, em 15 de março.

    Além da discrepância no preço, o encontro fora da agenda contradiz o que Pazuello afirmou em depoimento à CPI da Covid, em 19 de maio. Aos senadores o general disse que não liderou as negociações com a Pfizer sob o argumento de que um ministro jamais deve receber ou negociar com uma empresa.

    “Pela simples razão de que eu sou o dirigente máximo, eu sou o ‘decisor’, eu não posso negociar com a empresa. Quem negocia com a empresa é o nível administrativo, não o ministro. Se o ministro… Jamais deve receber uma empresa, o senhor [senador Renan Calheiros] deveria saber disso”, disse Pazuello à CPI.

    ALERTA
    Três pessoas que acompanharam a reunião disseram que o vídeo foi gravado mesmo antes de Pazuello conhecer o preço da vacina.

    Segundo um ex-auxiliar do ministro, a ideia era propagandear nas redes sociais o avanço em uma negociação, no momento em que o governo era pressionado a ampliar o portfólio de vacinas.

    Após a gravação, de acordo com os relatos colhidos pela Folha, parte da equipe do ministro pediu que os empresários não compartilhassem o vídeo, que foi feito por meio do aparelho celular do empresário identificado como “John”.

    Um dos assessores de Pazuello teria alertado o general após a reunião de que a proposta era incomum, acima do preço, e a empresa poderia não ser representante oficial da fabricante da vacina.

    Caso o negócio fosse adiante, as doses seriam as mais caras contratadas pelo ministério, posto hoje ocupado pela indiana Covaxin (US$ 15), que tem o contrato suspenso por suspeitas de irregularidades.

    Até o momento o general Pazuello não se pronunciou sobre a denúncia.

    Relacionadas

    Presidente da Petrobras, José Coelho, é demitido e Caio Paes deve ocupar a função

    Empossado há pouco mais de um mês, o químico José Mauro Ferreira Coelho foi demitido do cargo de presidente da Petrobras nesta segunda-feira (23)....

    Ciclone Yakecan causa estragos no Litoral, mas se afasta do RS

    Após causar estragos especialmente no Litoral, o ciclone Yakecan começou a perder força no início da madrugada desta quarta-feira. O "olho" da tempestade se...

    STF valida punições para motorista que recusar teste de bafômetro

    O Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que é válida a punição a motoristas que se recusam a fazer o teste do bafômetro. De acordo com a Lei...

    Inscrições do Enem 2022 se encerram neste sábado

    As inscrições para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) 2022 terminam às 23h59 deste sábado (21). Já no primeiro dia, o exame registrou...

    Pedagogas relatam como a tecnologia é uma aliada na retomada das aulas pós-pandemia

    A vida do pedagogo é uma verdadeira aventura. Lidar com diferentes perfis de alunos, com a exaustiva rotina acadêmica, e com a certeza de...

    Enem 2022: conteúdos e gratuitos ajudam os participantes nos estudos para o exame

    A internet é uma potente ferramenta para quem deseja se preparar para importantes provas, como o no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem), uma das...

    Renda dos caminhoneiros encolheu 11% em seis anos, aponta estudo

    Em seis anos, a renda média dos caminhoneiros no Brasil caiu 11%, passou de R$ 3.600, em 2015, para R$ 3.200, em 2021. O...

    Ex-morador de rua já foi condenado e preso por sequestro, extorsão e furto

    Um novo desdobramento da história de Givaldo Alves – o ex-morador de rua agredido pelo personal trainer Eduardo Alves após ter sido flagrado fazendo sexo com a mulher...

    Brasil tem 4.486 denúncias de violações de direitos contra crianças

    Dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos indicam que este ano já foram registradas 4.486 denúncias de violações de direitos...

    Especiais

    Últimas

    Editoriais

    Siga-nos

    Mais Lidas