04 de agosto de 2021
Mais
    Capa Notícias Mato Grosso Mais de 120 equipamentos de refrigeração serão enviados às prefeituras para vacinação
    SAÚDE

    Mais de 120 equipamentos de refrigeração serão enviados às prefeituras para vacinação

    Energisa fez a entrega simbólica das geladeiras e câmaras frias hoje (01) pela manhã. Doação faz parte do Movimento Unidos pela Vacina

    Imagem: UNIDOS PELA VACINA Mais de 120 equipamentos de refrigeração serão enviados às prefeituras para vacinação
    Reprodução

    Mais de 120 equipamentos de refrigeração começaram a ser entregues a 81 prefeituras de Mato Grosso para que sejam usados na conservação local das doses de vacinas contra a covid-19. A doação de 98 geladeiras e 16 câmaras frias é feita pela Energisa por meio do movimento Unidos pela Vacina. Um evento hoje (1) pela manhã, em Cuiabá, marcou de forma simbólica, o início da entrega. Prefeitos de Chapada dos Guimarães e Nobres, além de secretárias de Saúde de Poconé e Diamantino, assinaram o termo de doação dos equipamentos.

    “Fizemos um mapeamento com os municípios pelo Movimento Unidos pela Vacina e esses equipamentos foram apontados como uma das necessidades. Então, eles vão para atender esse pedido. As doações são uma continuidade das ações da Energisa durante a pandemia, pois entendemos que é nosso papel enquanto empresa devolver e prover aquilo que a sociedade precisa em um momento tão grave quanto o que estamos vivendo”, pontuou o diretor-presidente da Energisa Mato Grosso e um dos coordenadores do movimento no estado, Riberto José Barbanera.

    O prefeito de Chapada do Guimarães, Osmar Froner, lembrou que geladeiras e freezers são muito difíceis de licitar e por isso, a doação dos equipamentos vai fazer muito diferença. “Essa preocupação do Movimento Unidos pela Vacina vai nos ajudar a esfriar a vacina e a aquecer a vida. Muito obrigada por ajudar a aquecer a vida de tantas pessoas”, disse o prefeito, que lembrou o diferencial do município por ser um ponto turístico do Estado, recebendo tantas pessoas todos os meses.

    O prefeito de Nobres, Leocir Hanel, fez uma comparação com as posições de um time que hoje ajuda o estado a se defender da covid-19. As prefeituras são o meio de campo, criando ações na ponta pra imunizar e proteger a população. O governo do estado é o goleiro que tá recebendo e distribuindo as doses. E as empresas entram como nossos zagueiros, ajudando muito com essas doações”, destacou Leocir.

    Já o secretário de saúde de Mato Grosso, Gilberto Figueiredo, se emocionou durante a participação no evento ao lembrar que foi internado em estado grave por causa da covid-19. “Eu tive a covid-19 pela primeira vez e não tive quase sintomas. Então eu achava que estava até imunizado. E meses depois fui novamente infectado. Fiquei entre a vida e a morte. Então essa é uma doença que a gente não pode facilitar. Tem que se proteger”, reforçou Gilberto, que também lembrou a importância da contribuição da sociedade civil organizada no combate à pandemia. Para ele, hoje foi um dia muito importante, com a primeira entrega dos itens arrecadados pelo Movimento Unidos pela Vacina. “Todos os 141 municípios serão ajudados pelo movimento, que tem potencializado as ações de enfrentamento da pandemia, onde a sociedade civil organizada se une em prol do mesmo objetivo”, pondera o secretário.

    O médico pneumologista, Arlan Ferreira, representou os profissionais de saúde que estão na linha de frente do combate ao vírus. Ele detalhou que todas as vacinas que são aplicadas hoje no Brasil, são seguras e que a população não precisa ficar escolhendo qual tomar. “Vacina boa é vacina no braço. A covid-19 tem uma condição muito parecida com o sarampo. Você não tem um remédio ainda efetivo pra evitar a doença. Tem que tratar apenas os problemas gerados, pra evitar uma piora do paciente. Então a vacina é a única saída. No caso do sarampo, nunca ninguém ficou perguntando a marca da vacina. E a campanha é um sucesso contra doença no mundo todo. Com o novo coronavírus é a mesma coisa. Tem que vacinar. É a única saída hoje” disse o especialista.

    Parceria para salvar vidas

    O Unidos Pela Vacina é um movimento apartidário e sem fins lucrativos. Ele reúne empresas, associações e ONGs, unidas no propósito de tornar viável a vacinação de todos os brasileiros até setembro deste ano. A mobilização surgiu por iniciativa do Grupo Mulheres do Brasil, liderado pela empresária Luiza Helena Trajano. “Essas doações são feitas diretamente pras prefeituras, nós não recebemos nenhum tipo de dinheiro dos empresários. Apenas doações. E vocês sabem que a vacina é muito importante nesse momento e tem que vacinar 75% da população. Então quem puder continuar ajudando, por favor, contribua porque tem muita cidade pra ser ajudada”, detalhou a empresária, que gravou uma mensagem especial para o evento em Cuiabá.

    A Federação das Indústrias de Mato Grosso e o Grupo de Líderes Empresárias do estado (LIDE) também estão unidos ao movimento. De acordo com a Fiemt, dos 141 municípios do Estado, 137 relataram demanda por algum equipamento ou insumos, como jalecos, máscaras e algodão e caixas térmicas para transporte das vacinas. Usinas produtora de etanol vão doar 15 mil litros de álcool 70% por meio do Sindicato das Indústrias de Bioenergia do Estado de Mato Grosso (Sindalcool). “Essa pandemia tem nos ensinado muitas lições há mais de um ano. Quando a gente para de pensar só no ambiente empresarial e nas nossas vidas e começamos a apoiar necessidades reais, fazemos a diferença. Precisamos pensar na sociedade”, comentou ele.

    Como fazer parte

    A estimativa é R$ 2,85 milhões em custos. Mas deste total R$ 1,058 milhão já foram conseguidos. As empresas podem participar como doadoras de produtos específicos ou amadrinhando um ou mais municípios. Para isso, devem enviar um e-mail para [email protected], informando nome, CNPJ, e-mail e telefone do responsável a aguardar as instruções. Por se tratar de doações para municípios, todo o processo é documentado e as informações ficam disponíveis em uma plataforma. As doações são auditadas pela Ernst & Young. As maiores pendências atualmente são 14 câmaras frias negativas (que vão de -25 a -15ºC), 42 positivas (de 2 a 8ºC) e 94 computadores. As empresas que já estão apoiando o movimento são: Energisa, Porto Seguro, Sicoob, Totv’s, Ernesto Borges ADV, Rodrigo Lopes, Grupo Botuverá, Grupo RD (Raia Drogasil), Cummins, Solar Coca-Cola e as usinas de etanol Barralcool, UISA, Inpasa, Brenco, Novo Milênio, Coprodia, Libra, Usimat e FS Energia. Para saber mais sobre o movimento, basta acessar o site unidospelavacina.org.br ou seguir o perfil @unidospelavacina nas redes sociais.