02 de agosto de 2021
Mais
    Capa Destaques ‘O que falta em Mato Grosso é autoridade’, diz José Carlos
    PANDEMIA

    ‘O que falta em Mato Grosso é autoridade’, diz José Carlos

    Prefeito de Rondonópolis reclamou do tratamento dispensado pelo Governo Federal e disse que Governo do Estado precisa 'exigir o que é direito nosso'

    Imagem: tereza ze ‘O que falta em Mato Grosso é autoridade’, diz José Carlos
    O prefeito José Carlos do Pátio voltou a cobrar apoio da ministra Tereza Cristina pela obtenção de mais vacinas – Foto: Assessoria

    O prefeito de Rondonópolis José Carlos do Pátio (SD) fez duras críticas hoje à condução dada ao enfrentamento da pandemia pelos governos Estadual e Federal. Ele disse que falta autoridade ao govenador Mauro Mendes e voltou a acusar o Ministério da Saúde de discriminar o Estado na distribuição de vacinas contra Covid-19.

    “Nesta semana vi o ministro da saúde, Marcelo Queiroga, com a ministra (da Agricultura) Tereza Cristina dizendo que ia levar mais vacina para o Mato Grosso do Sul. Mas lá está sobrando vacinas. Mesmo tendo uma população menor, receberam muito mais doses que Mato Grosso”, reclamou.

    O prefeito também criticou a ministra Tereza Cristina, que é do Mato Grosso do Sul. “A ministra liga para mim pedindo para não parar a cidade, mas não manda vacina pra gente. Nosso povo serve para trabalhar, para garantir alimentos para o Brasil e para o mundo, mas não serve para ter o apoio pela vida deles. Isso está errado”.

    Na opinião do prefeito o descaso do Governo Federal é amplificado pela atuação do Governo Estadual. “Mato Grosso não é um bom exemplo, estamos entre os três piores estados do país na questão da Pandemia. O que nos falta é autoridade. Falta o governo exigir o que é direito nosso. E eu estou preocupado com isso”, afirmou.

    RESTRIÇÕES
    As declarações do prefeito foram feitas durante entrevista em que anunciou a flexibilização das restrições relacionadas à prevenção da Covid-19 em Rondonópolis.

    Seguindo orientação do Comitê Gestor de Crise, a Prefeitura decidiu ampliar o horário de funcionamento das atividades comerciais até as 22 horas, inclusive aos domingos.

    Também houve uma redução do toque de recolher, que passará a vigorar das 23 às 05 horas. Estão mantidas as restrições relacionadas à lotação dos estabelecimentos e as normas básicas de prevenção – distanciamento, uso de máscaras e oferta de álcool em gel.

    A Prefeitura promete manter a fiscalização para coibir aglomerações e pede a colaboração de todos para conter a disseminação do coronavírus. Durante a entrevista o prefeito antecipou que poderá retomar as restrições caso ocorra aumentos nas taxas de transmissão e óbitos.