Mais
    Agora MT Economia Dólar dispara 8,4% em junho e pressiona preço de alimentos e combustível
    INFLAÇÃO

    Dólar dispara 8,4% em junho e pressiona preço de alimentos e combustível

    Produtos cotados internacionalmente pela moeda americana e itens importados ficam mais caros com desvalorização do real

    Fonte: R7
    VIA

    Imagem: Dolar Dólar dispara 8,4% em junho e pressiona preço de alimentos e combustível
    Dólar – Foto: Reprodução

    O preço do dólar disparou em junho pressionando ainda mais a inflação, que acumula alta de 11,73% nos últimos 12 meses. Os mais afetados pelo aumeno da moeda são os produtos agrícolas e o petróleo, cotados em dólar no mercado internacional, além de encarecer também bens importados.

    A moeda norte-americana subiu 8,4% em junho até o momento e tem variado em torno de R$ 5,15, esse é o maior patamar desde de fevereiro. Na última semana, a variação foi de 3,31%. Já na segunda-feira (20), o dólar encerrou em alta (0,85%), sendo negociado a R$ 5,18, e, na terça-feira (21), recuou 0,63%, a R$ 5,15.

    Segundo o economista do Índice de Preços ao Consumidor da FGV, André Braz, o dólar pressiona os alimentos de duas maneiras. “As commodities, cotados em dólar no mercado internacional, podem subir porque a nossa moeda desvalorizou ou porque o preço avançou. Os dois fenômenos inclusive podem acontecer ao mesmo tempo”, explica.

    “Soja, trigo e milho, por exemplo, são alimentos com preços estabelecidos internacionalmente. Não importa que o Brasil é um dos maiores produtores desses grãos. Então, se o real desvaloriza e segue desvalorizado, isso acaba encarecendo toda a família de derivados. A ração dos animais que a gente consome leva esses grãos. Suínos, bovinos e aves têm custo de criação aumentado”, completa o economista da FGV.

    O trigo, que teve uma queda na oferta, também fica mais caro quando o dólar sobe. “A guerra entre Rússia e Ucrânia gerou uma dificuldade de escoamento desse produto, que sofreu ainda com embargos que o Brasil. Então subiu muito o preço do trigo e todos os seus derivados, como pão, biscoito macarrão, ente outros”, afirma Braz.

    Segundo Nadja Heiderich, professora e coordenadora do Núcleo de Estudos da Conjuntura Econômica da Fecap (Fundação Escola de Comércio Álvares Penteado), o trigo é o alimento mais importado pelo Brasil, mas há ainda outros produtos usados no dia a dia do brasileiro que também são impactados pelo dólar.

    “O Brasil exporta muitos alimentos in natura para adquiri-los processados, como o grão de café e o pó de café, e a laranja e o suco de laranja. Uma parte do arroz e feijão também é importado para que seja possível suprir nossa demanda interna, mesmo sendo nós grandes produtores”, destaca.

    A economista lembra ainda que a indústria tem um aumento de custos com a alta da moeda americana. “Toda categoria que precisa de insumos e matéria-prima importados é impactada negativamente pelo dólar”, explica.

    “Mesmo que mesmo que esses produtos não aumentem no país de origem, a desvalorização do real faz com que o aumento seja sentido no Brasil”, complementa Heiderich.

    Combustível deve aumentar ainda mais
    Segundo Heiderich, a variação do dólar encare o petróleo, que é importado pelo Brasil. “Por mais que sejamos suficientes na extração do petróleo bruto, a gente envia o produto e traz refinado. A gente não tem ainda refinarias que possam lidar com esse problema”, afirma.

    O aumento do preço do combustível tem extenso efeito sobre toda a cadeia de produção e a inflação. “Se o dólar aumenta, o preço da gasolina e do diesel é reajustado. A alta do combustível irradia para toda a economia, porque tudo que a gente produz precisa transportar”, explica a professora da Fecap.

    Impactos na exportação
    A desvalorização do real frente ao dólar beneficia a exportação, o que também colabora para o aumento de preços. “Com a nossa moeda mais barata, o Brasil passa a exportar muito a mais, é como se nossos produtos entrassem em promoção. Eles ficam muito mais baratos para quem compra mais. Isso é bom para a balança comercial, mas é desafio a mais para a inflação. À medida que a gente exporta, falta para o mercado doméstico. A carne bovina é um exemplo disso, ela subiu muito de preço tanto para China quanto para gente, mesmo o Brasil tendo o segundo maior rebanho de bovinos do mundo”, explica Braz.

    Expectativas para o dólar
    A valorização do dólar no Brasil vai na direção contrária ao comportamento da moeda no restante do mundo. O motivo principal é o temor do mercado quanto uma possível intervenção do governo na Petrobras e outras medidas cogitadas pelo Congresso para conter o preço dos combustíveis. Além da aversão ao risco de investidores, por conta de ameaça de recessão e da guerra na Ucrânia.

    Para o professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie e economista-chefe da G11, Hugo Garbe, existe a chance de a moeda romper a barreira dos R$ 5,20. “Os Estados Unidos estão subindo os juros e isso incentiva os investidores a tirar dólar dos países emergentes e aplicar lá, que tem teoricamente a economia mais segura do mundo, porque agora o dinheiro deles terá uma remuneração maior e o risco é menor. Tem também as eleições que estão se aproximando e são, historicamente, um período de incertezas.”

     

    Relacionadas

    Servidora pública é assassinada a tiros por ex-namorado em MT

    Uma servidora pública identificada como Lailse Monique da Silva Carmo, 33 anos, foi assassinada a tiros neste domingo (26) em frente a um clube...

    Flamengo tem surto de Covid-19 e oito atletas testam positivo antes de jogo da Libertadores

    Os goleiros Diego Alves, Matheus Cunha e Kauã, o volante Arão, os zagueiros Rodrigo Caio e Fabrício Bruno, o atacante Matheus França e o...

    Prévia da inflação volta a ganhar ritmo e sobe 0,69% em junho

    Depois de perder força e subir 0,59% no mês de maio, a prévia da inflação oficial de preços voltou a acelerar e saltou 0,69%...

    A guerra do leite

    Tomei um susto com o preço do leite. Nas gôndolas dos supermercados já tem caixinha custando pra lá de 7 reais. Fico imaginando como...

    Inscrições para cavalgada começam nesta sexta-feira (24)

    As inscrições gratuitas para a 34ª Cavalgada da Exposul abrem nesta sexta-feira (24) em cinco pontos diferentes. O evento será no dia 06 de...

    Klara Castanho esclarece doação de bebê e revela que foi estuprada: ‘Relato mais difícil da minha vida’

    Depois de ser um dos assuntos mais comentado nas redes sociais neste sábado (25), a atriz Klara Castanho usou sua conta oficial no Instagram...

    Governo paga Auxílio Brasil a beneficiários com NIS final 9

    A Caixa Econômica Federal paga hoje (29) a parcela de junho do Auxílio Brasil aos beneficiários com Número de Inscrição Social (NIS) de final...

    Casal fica ferido após batida entre moto e carro em cruzamento

    Um casal ficou ferido após uma colisão envolvendo uma moto e um carro, na manhã desta sexta-feira (24), no Bairro Jardim Tropical, em Rondonópolis...

    Repressão a organizações criminosas resulta em 82 prisões em MT

    O enfrentamento da Polícia Civil a organizações criminosas no estado resultou em 82 prisões no primeiro semestre deste ano em ações realizadas pela Gerência...

    Especiais

    Últimas

    Editoriais

    Siga-nos

    Mais Lidas