Mais
    Agora MT Brasil MPF pede que WhatsApp permita função Comunidades só em 2023
    REDE SOCIAL

    MPF pede que WhatsApp permita função Comunidades só em 2023

    Nova ferramenta de grupos disponibiliza a participação de milhares de pessoas e será liberada no Brasil após as eleições

    Fonte: R7
    VIA

    Imagem: Rede Social Whatsapp MPF pede que WhatsApp permita função Comunidades só em 2023
    Rede Social Whatsapp

    O Ministério Público Federal (MPF) reforçou um pedido ao WhatsApp para que o aplicativo de mensagens adie para janeiro de 2023 a implementação no Brasil da função Comunidades, nova ferramenta de grupos do aplicativo que permitirá a participação de milhares de pessoas.

    O WhatsApp pretende inaugurar a funcionalidade no país depois das eleições de outubro. Após acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), a empresa concordou em deixar a liberação da nova ferramenta para depois do pleito, a fim de evitar qualquer tipo de interferência no resultado da votação.

    No entanto, de acordo com o MPF, “tal compromisso não impede que o Whatsapp Comunidades seja lançado, no Brasil, logo na sequência, em um período no qual, é importante reconhecer, fluxos organizados de desinformação sobre as instituições e os processos democráticos brasileiros podem ter efeitos especialmente graves para a integridade cívica do país”.

    As considerações do MPF foram enviadas ao WhatsApp nesta quinta-feira (28). O documento foi elaborado pela Procuradoria da República em São Paulo, unidade do MPF no estado. No ofício, o órgão afirma que, caso entre em vigor ainda em 2022, a nova função do WhtasApp terá potencial para contribuir com a disseminação de notícias falsas e atrapalhar o combate a esse tipo de crime.

    O Ministério Público quer o adiamento para “evitar que a atual política de enfrentamento à desinformação da empresa seja alterada ainda neste ano, em um momento no qual fake news sobre o funcionamento das instituições e a integridade do sistema de votação brasileiro podem colocar em risco a estabilidade democrática do país”.

    O MPF destacou que, com as comunidades, os administradores desses grupos poderão enviar mensagens a até 2.560 pessoas de uma só vez, e não mais a 256, o número máximo de usuários que podem integrar um grupo do WhatsApp no Brasil atualmente. Para o Ministério Público, essa alteração pode implicar a relativização da estratégia de contenção da viralização de conteúdos hoje em vigor na plataforma.

    “Tratando-se de uma funcionalidade nova, ainda não há conhecimento acumulado sobre como, uma vez implementada, suas funções e ferramentas serão exploradas por grupos voltados à produção e à disseminação de desinformação na internet”, opinou o MPF, acrescentando que “a postergação da implementação do Whatsapp Comunidades, no Brasil, para o início de 2023, revela-se uma medida socialmente importante e patentemente razoável”.

    O WhatsApp tem 20 dias úteis para responder se acolhe ou não a recomendação do Ministério Público. Caso ela seja rejeitada, o MPF poderá ir à Justiça para fazer valer as providências recomendadas. O R7 procurou a empresa, mas não recebeu retorno até a publicação desta reportagem.

    Mesmo pedido foi feito em abril

    Em abril último, a Procuradoria da República em São Paulo já tinha acionado o WhatsApp para sugerir que as comunidades não entrassem em vigor neste ano. Na época, a empresa respondeu apenas que continuaria a desenvolver a função para ajudar as pessoas a se conectar de maneira privada e segura e que seguiria avaliando de maneira cuidadosa e criteriosa o melhor momento para o lançamento no Brasil.

    O MPF questionou se o WhatsApp havia chegado a fazer algum estudo sobre o impacto da implementação da ferramenta nas políticas de enfrentamento da desinformação, mas a empresa disse que, “de acordo com a legislação brasileira, não há lei ou regulamento que obrigue o WhatsApp a realizar relatório ou estudo de impacto tal como indicado”.

    Para o Ministério Público, as manifestações do WhatsApp não foram satisfatórias e não convenceram o órgão de que será seguro implementar as comunidades ainda em 2022. O MPF entende que, além de evitar práticas organizadas de desinformação após as eleições, o adiamento da função para o ano que vem não deve trazer prejuízos econômicos ao WhatsApp nem ao público que utiliza o aplicativo, visto que a ferramenta ainda não está operando no país.

    Relacionadas

    Ministro do TSE determina retirada de vídeos de Lula contra Bolsonaro

    O ministro Raul Araújo, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), determinou a exclusão de vídeos publicados no YouTube em que o ex-presidente Lula (PT) chama...

    Em depoimento, homem que matou ex-companheira diz que foi atrás dela porque havia sido ameaçado

    Durante depoimento prestado à Polícia Civil após ser preso, Edivan Júnior Leite da Silva, 30 anos, contou a versão dele do que aconteceu antes...

    Consumidor é enganado após acessar site nas redes sociais e perder mais de R$ 600

    Um homem de 30 anos foi vítima de um golpe após fazer uma compra pela internet e não receber os produtos. Um Boletim de...

    Estresses ambientais impactam a safra 21/22 de algodão em MT

    O algodoeiro sofre interferência direta de fatores adversos ou favoráveis durante a safra, com impacto significativo sobre o desenvolvimento vegetativo, produção e na qualidade...

    Jovem é preso após ser flagrado se masturbando em frente de academia

    Um jovem de 26 anos foi preso pela Força Tática por ato obsceno após ser flagrado se masturbando em frente a uma academia na...

    Trio é preso com maconha e dinheiro na Vila Poroxo

    Três pessoas foram presas pela Polícia Militar (PM), pelos crimes de tráfico de drogas e associação para o tráfico, na noite desta segunda-feira (8),...

    Derf prende suspeito por tráfico e ele acaba confessando roubo a estabelecimento

    Um homem foi preso na tarde desta quarta-feira (10) pela Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (Derf) de Rondonópolis – MT. Além das drogas,...

    Mulher é detida em Rondonópolis transportando cerca de 30kg de maconha

    Uma mulher foi detida transportando cerca de 30Kg de maconha dentro de uma bagagem em um ônibus. A prisão e apreensão do entorpecente aconteceram...

    Endividamento cresce e inadimplência cai em MT; resultado é satisfatório para o comércio

    O nível de endividamento das famílias cuiabanas voltou a registrar aumento pelo segundo mês consecutivo e atingiu, no mês de julho, 74%. O levantamento,...

    Especiais

    Últimas

    Editoriais

    Siga-nos

    Mais Lidas