Agora MT Destaques MT começa exportar soja com 71% de redução de pegada de carbono...
SAFRA 2022/23

MT começa exportar soja com 71% de redução de pegada de carbono mensurada

Soja foi produzida em cerca de 64 mil hectares em 10 propriedades parceiras do projeto PRO Carbono Commodities da Bayer

VIA

Imagem: Cultivo de soja MT começa exportar soja com 71% de redução de pegada de carbono mensurada
Cultivo de soja – Reprodução

Cerca de quatro milhões de sacas de soja 2022/23 com pegada de carbono mensurada e livre de desmatamento produzidas em Mato Grosso começam a adentrar o mercado da indústria nacional e internacional. O volume é a primeira entrega do projeto PRO Carbono Commodities da Bayer.

A iniciativa teve início há três anos e neste ciclo 2022/23 foi realizada a primeira safra do PRO Carbono Commodities, que abrange a produção de soja de 10 agricultores mato-grossenses localizados nos biomas Cerrado e Amazônia, em uma área total de 159 mil hectares.

A multinacional revela que a produção de soja ocorreu em aproximadamente 64 mil hectares. O projeto foi desenvolvido em propriedades situadas em Sapezal, Campos de Júlio, Campo Novo do Parecis, Matupá e Alta Floresta. O que mostra que a iniciativa traz a garantia de que a produção em questão advém de uma área livre de desmatamento (DCF), que totaliza aproximadamente 90 mil hectares de vegetação natural, considerando reserva legal e seu excedente.

Soja foi produzida em cerca de 64 mil hectares em 10 propriedades parceiras do projeto PRO Carbono Commodities da BayerDiretor do Negócio de Carbono da Bayer para a América Latina, Fábio Passos, explica que o projeto mensura a pegada de carbono durante toda a fase agrícola, ou seja, analisa desde o pré-plantio até colheita, e segue pela fase de transporte até a entrega do grão, com transparência e rastreabilidade de informações a fim de validar o junto à cadeia de comercialização.

“Começamos o projeto do Pro Carbono Commoditie há três anos trazendo a Embrapa e toda a ciência para construir calculadora, todas as ferramentas para quantificar as bases tropicais e agora a gente aplicou isso em larga escala na região de Mato Grosso em cerca de 64 mil hectares”, diz Passos.

Cálculo mostra que redução chega a 71%
A entrega da primeira carga, produzida pela Bom Futuro Agrícola, foi realizada à ADM, que acompanhará a fase de transporte até a chegada do grão na unidade de armazenamento.

De acordo com a Bayer, o programa registrou dados primários das áreas referentes às 240 mil toneladas de soja produzidas e contabilizou uma pegada média de carbono de 861,55 CO2 eq/t. Se somados tais dados primários as advindas da adoção de melhores práticas, considerando o cenário dos talhões de melhores patamares por município no programa, o resultado chegar a uma pegada média de carbono de 657,02 CO2 eq/t.

“Quando comparado com o padrão global a gente está falando em 44% de redução, já com os dados padrão da calculadora brasileira. [Ao se analisar] os dados primários o produtor reduz ainda mais 41%, porque ele está trabalhando com dado específico da fazenda. E, quando eu olho o melhor talhão de cada fazenda eu posso reduzir mais 20% dessa pegada. Ao todo entre o dado que a gente tem hoje e o dado específico dos melhores talhões da fazenda eu estou falando em 71% de redução da pegada de carbono mensurada nessas fazendas”, afirma Fábio Passos.

A mensuração foi feita com ferramenta PRO Carbono Footprint, desenvolvida colaborativamente por meio de uma parceria da Bayer com a Embrapa e lastreada em uma metodologia com reconhecimento internacional, a análise do ciclo de vida (ACV).

Pesquisadora da Embrapa Meio Ambiente, Marília Folegatti, tem sido uma construção há cerca de três anos em que se tem desenhado o sistema de produção.

“A gente tem desenhado o sistema de produção e representou isso numa estrutura de calculo que resulta na pegada de carbono por enquanto da soja. Ela é uma calculadora que calcula com base em avaliação do ciclo de vida e faz toda a contabilidade de gasto, desde a extração de recursos naturais até a produção da soja e a soja transportada até a trading”, pontua a pesquisadora.

Projeto é uma virada na história da produção
O PRO Carbono Commodities é um desdobramento do PRO Carbono, iniciado em 2021 com 1,9 mil agricultores brasileiros, no qual é feito um trabalho para ampliar a produtividade no campo e o sequestro de carbono no solo pela intensificação de práticas regenerativas.

Para Eraí Maggi Scheffer, acionista da Bom Futuro, o momento é ímpar, uma virada na história da produção brasileira.

“Podemos mostrar para o consumidor na Europa, no mundo afora que tem um produto rastreado, que teve baixo carbono usando uma produção de alta produtividade, usando manejos para que não fique emitindo carbono no ar e também começa uma nova era”.

Conforme Eraí Maggi Scheffer, o Brasil está mostrando o seu diferencial. “O pessoal na Europa, outros países, às vezes criticam o produtor aqui. Parece que o produtor é um criminoso e não é. Nem todos são. É uma quantidade mínima que não estão fazendo correto as coisas”, salienta o produtor mato-grossense.

O direto de Grãos da ADM América do Sul, Luciano Souza, reforça que o momento é de virada de página na produção de soja brasileira e para outras culturas.

“Quando a gente olha para uma agricultura cada vez mais sustentável, uma agricultura também regenerativa, isso está totalmente alinhado com o nosso compromisso”.

A carga de soja produzida com pegada mensurada, salienta a Bayer, é auditada pelo Bureau Veritas e entregue à ADM com qualificação da origem, contendo as informações rastreáveis de produção e cálculo das emissões, e em consonância com análises socioambientais.

Com esse sistema de rastreabilidade via QRCode e blockchain, a Bayer propicia uma maior transparência e confiança sobre a origem dos grãos para toda a cadeia, indo além do que existe no mercado atualmente.

Relacionadas

Mais de 2,6 mil vagas de emprego são disponibilizadas pelo Sine-MT nesta semana

Supervisor de logística, atendente de telemarketing e operador de empilhadeira são algumas das oportunidades de emprego divulgadas nesta semana pelo Sistema Nacional de Emprego...

Após ataques a Israel, Irã sinaliza fim da ofensiva

Após os ataques de drones e mísseis contra Israel na noite deste sábado (13), o Irã sinalizou o fim da ofensiva. Em comunicado publicado...

Inscrições para projetos sociais do Corpo de Bombeiros começam nesta segunda-feira (15)

O Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso (CBMMT) abre, nesta segunda-feira (15.04), as inscrições para a participação de crianças e adolescentes nos projetos...

Ministro quer modernização de contratos com distribuidoras de energia

O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou, na sexta-feira (12), que os contratos com as concessionárias de distribuição de energia devem ser...

Suspeitos de manter família refém morrem em confronto com a PM

Militares encontraram vítima deitada ao chão com pés e mãos amarrados por fio de energia

Concurso da SES ocorre neste domingo (14) em Rondonópolis e mais 4 cidades

A prova objetiva do concurso da Secretaria de Estado de Saúde (SES-MT) será aplicada neste domingo (14.04), das 13h às 17h, em cinco polos...

Jovem é preso pela Força Tática por tráfico de drogas no bairro Marechal Rondon

A equipe de Força Tática da Polícia Militar prendeu no final da manhã desta sexta-feira (12) um jovem de 25 anos por suspeita de...

Brasil registrou média de 495 ocorrências de tráfico de drogas por dia em 2023

Dados do Ministério da Justiça e Segurança Pública mostram que o Brasil registrou uma média de 495 ocorrências de tráfico de drogas por dia...

Deputado do PSOL chuta ativista do MBL e troca empurrões com Kim Kataguiri na Câmara

O deputado federal Glauber Braga (PSOL-RJ) foi filmado empurrando o influenciador Gabriel Costenaro, membro do MBL (Movimento Brasil Livre), para fora da Câmara dos...

Especiais

Últimas

Editoriais

Siga-nos

Mais Lidas